<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 30, 2010

e não vir um raio que parta esta corja mandante...
já que nós não a partimos!

Não tenho vergonha de ser Português. Sou-o e pronto! Assumo-o e e tento fazer da minha vida um modo de nela estar portuguesmente.

Aqui e ali sinto dificuldades para definir o conceito mas, curiosamente, dou por mim a pensar sempre em português, a respirar este ar que me rodeia e a ver sempre a vida com a luz que ilumina primorosamente este pequeno rectângulo do mundo.

Considero-me, portanto, um caso irremediável de portugalidade. Hasteio-a como bandeira e orgulho-me disso de uma forma que raia o inconsciente.

Mas estou para aqui cheio de raiva por ser Português, ah, isso estou! E com uma imperiosa e incontinente vontade de atirar pela janela mais alta que houver a récua de mandantes que tem assolado este nosso País.

O estado de calamidade pública a que os sucessivos governos do «centrão» nos conduziram com a destruição deliberada e sistemática do tecido produtivo nacional atingiu um novo cume de sem-vergonha ontem, com o anúncio de novo e despudorado assalto à mão armada levado a cabo pela seita no poder para uma outra vez encher os bolsos aos seus patrões, essa entidade freérica que detém o grande capital no mundo.

Há cem anos implantou-se a República. É mais do que tempo de todos e cada um nos republicarmos, cidadãos!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:24


setembro 28, 2010

pouca vergonha ou sem-vergonha absoluta

OCDE, Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico, é ou não é?

Um senhor mexicano e secretário geral da OCDE, José Ángel Gurría Treviño, decidiu vir a Portugal cumprir um frete: da desgraça, dizer-nos o que já estamos fartos de saber; das soluções preconizadas, o que José Sócrates tem andado a dizer - com os notáveis efeitos visíveis na sociedade portuguesa - há uma data de tempo.

Em terra de tanto guru economista, mais um ou menos um nem seria coisa demais, pois o território é pequeno mas muito acolhedor. No entanto, este, porventura alcandorado na arrogância de se presumir  sustentado por uma organização de tal gabarito como a OCDE - que é e faz o quê? - , achou por bem, ainda, tecer considerações quanto às atitudes comportamentais e relacionais que os diversos partidos portugueses devem manter entre si.

Em bom português, isto chama-se, liminarmente, ingerência nos assuntos internos de um país e alguém devia providenciar em meter o senhor na ordem, no mínimo com queixa sumária e pública à tal OCDE, pela indecorosa intromissão. Ah, e a OCDE é o quê e faz o quê...?

Se não fosse a hipócrita mania de alguns portugas de se armarem em moralistas no que ao livre linguajar se refere (veja-se o recente caso dos dicionários com palavrões - que horror!), e eu estaria capaz de recomendar a esta sumidade, como a minha avozinha transmontana faria, que metesse a língua no cu e fosse à vida dele, deixando-nos tratar da nossa, com a independência que um País com tanta História deveria ter, mas não pratica...

Não há paciência! 

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:52


setembro 23, 2010

fotografando o dia (158)


o que é
nem sempre parece que o é

até um cacho de rolhas
quanto mais para ele olhas

cada vez mais é
o que não é


Cacho de Rolhas - ocupação sobre painel de cortiça, de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:41


setembro 20, 2010

Regina Guimarães pela mão e pela voz de Elisabete Piecho
nas Noites com Poemas

Mais uma sessão supimpa decorreu, reiniciando, pelo sexto ano consecutivo, as Noites com Poemas e cumprindo a sua 56ª sessão. 

Uma outra vez, também, uma sala plena de pessoas que consideram que vale a pena manter e cultivar essa arte do encontro com os seus concidadãos, numa demanda descontraída de convergências em torno de interesses que se adivinham comuns.


Descontraída, ainda que não desinteressada. E não é fácil, nem denominador comum, na sociedade presente, ainda para mais quando a motivação é essa coisa etérea a que chamamos poesia e a paga a não menos etéria cultura dos afectos.        


Certo é que Elisabete Piecho «desmembrou» a poesia de Regina Guimarães - que lhe autorizara devidamente tal «afronta» -, recortando em múltiplos pedacinhos de papel as suas palavras com sentido, extraídos de dois livros da autora, e propondo aos circunstantes que reconstruíssem cada poema a seu bel-prazer, em pequenos grupos de circunstância, ali criados, em novos e diversos enlaces que o trabalho de cada grupo sugerisse.  


Foi esta, então, uma sessão de muito fácil seguimento, permitindo até pausas descontraídas, enquanto na sala o ruído produtivo das mentes, desenvolvendo a nova arquitectura de cada poema se fazia sentir... 


Depois, tratou-se tão só de dar corpo e voz a cada «novo» poema...


... logo mais confrontado pelo poema original pela mão e voz de Elisabete Piecho, invariavelmente com a surpresa de que os tais novos enlaces criam lógicas próximas mas nunca coincidentes e as palavras originais parecem desdobrar-se em multiplicidades de sentidos que, afinal, já nelas residiam semi-escondidos. 


Como sempre, o segundo tempo de cada sessão promove a ronda por todos quantos tragam algo para nos dizer...


E é claramente com o maior agrado que todos nos apercebemos de que o tempo, além de correr depressa, nos parece cada vez mais curto e outro tanto, além do dito, nos ficou por dizer


A autarquia e a Direcção da Biblioteca Municipal de Cascais certifica, pelo punho da senhora vereadora da Cultura, Dra. Ana Clara Justino, o reconhecimento pela acção meritória de cada convidado, o que será simples gesto mas prova bastante da solidariedade que se procura, entre munícipes e município, nos caminhos que as boas vontades, de parte a parte, não apenas constroem, mas transformam também em percurso facilitado.   

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:53


setembro 15, 2010

noites com poemas
a poesia de Regina Guimarães, com Elisabete Piecho


Teremos, como convidada, Elisabete Piecho, actriz de teatro e amiga, que nos trará a poesia de Regina Guimarães, de quem os interessados que ainda não a conheçam poderão colher informação em http://web.letras.up.pt/primeiraprova/regina.htm.

Elisabete Piecho propõe-nos uma abordagem curiosa - e participativa - à poesia desta autora... E mais não digo, que uma pitada de curiosidade também condimenta os afectos.

INFORMAÇÃO ADICIONAL
sobre as Noites com Poemas
na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana
(sempre na terceira 6ª feira de cada mês, com início às 21h30)

O núcleo central das pessoas que integram esta nossa actividade - que vai entrar no seu sexto ano e na sua 56ª sessão, sem paranças - alargou-se, num processo lógico e natural destas nossas passadas pela vida, onde os poemas também se revelam e servem para criar e/ou reforçar laços de afectos e amizades ou, no mínimo, promovendo essa arte do encontro, que anda algo maltratada nos caminhos que trilhamos:

Carlos Peres Feio
David José Silva
Estefânia Estevens
Francisco José Lampreia
João Baptista Coelho
Lídia Castro
Lourdes Calmeiro
Maria Francília Pinheiro

São estes os nomes dos companheiros que constituem, pela sua constância participativa, o eixo desta «associação sem estatutos» onde, tentando contrariar velhos dados pretensamente adquiridos, temos sabido fazer funcionar a máquina a dois tempos, onde, pelo primeiro, passa a oportunidade de apresentar obra feita e, pelo segundo, a fruição da obra alheia, em forma de poema. E certo é que a maquineta tem funcionado, sem sobressaltos de maior, e sempre em frente.     
  
De cada um de vós, poetas, curiosos, amigos, se espera que venha, se puder e quiser, e até que nos traga um poema... e outro amigo, também. Temos sempre espaço para quem vier por bem.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:57


setembro 13, 2010

fotografando o dia (157)


o fantasma-gosma
gruda-se à grade da gruta
pasma

e a casa devoluta
cisma
com a noite que se afoite
 poise

e o céu?
caiu ou não caiu
ou que demo é que lhe deu?

- fotografia e poema de Jorge Castro

Fotografia obtida em Picoas - Lisboa

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:42


setembro 10, 2010

como eu gostava que o dia...

Não há razões de contentamento neste recanto do mundo que poderia ser tão aprazível... Por vezes, parece que os nossos esforços se congregam para a criação do infortúnio. Mas amanhã é sempre outro dia! Por vezes e por isso mesmo, apetece-me um poema ingénuo.

como eu gostava que o dia
não me trouxesse a azia
do descaso
e desconsolo
que não fosse por acaso
que eu pisasse com orgulho
as agruras deste solo
que não vingasse o engulho
nem me mordesse as canelas
o fétido desviver
que por lúgubres vielas
nos impede de crescer

como eu gostava que um dia
nascesse em nós a alegria
de sermos
nós a valer
e se enchessem montes ermos
e planícies devastadas
da arte de renascer
e sermos nós as estradas
alimentadas por rios
e bordejadas por mar
onde os homens fossem fios
abraçados num tear

- será um dia
há-de ser
há então que porfiar
e até lá ‘inda é dia
para o que der e vier
e o verbo é sempre lutar.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:04


setembro 07, 2010

o mistério dos mistérios ou o descaso dos casos...

A minha nova crónica na FreeZone.

Sobrevoámos em voo muito baixo, ao longo da última semana, mais dois extraordinários e misteriosos casos em que a sociedade portuguesa se tornou fecunda. Mais dois casos de aparência estrepitosa de onde ressalta depois, em grande primeiro plano que afinal tudo esconde, a sua impenetrável opacidade.

Refiro, como é óbvio, os casos Casa Pia e Carlos Queirós. Casos que me permito «meter no mesmo saco» porque deles, eu cidadão, que me tenho na conta de algo atento e sempre interessado, apuro um denominador comum: não consigo concluir coisíssima nenhuma…

Como nos casos de Camarate, ou dos hemofílicos infectados com SIDA, ou de Maddie, ou de Valle e Azevedo, ou do Freeport, ou do BPN, ou da Caixa, ou dos apitos, ou de…, ou de…, ou de… enfim, qualquer cidadão terá, em carteira do conhecimento, casos deste tipo de sobra, de maior ou menor impacto na sociedade, mas todos eles com essa peculiaridade que os irmana: a impossibilidade de se detectar cristalinamente onde foi parar a culpa e os culpados de cada uma das situações supostamente averiguadas e, uma vez por outra, até chegadas por fim a julgamento.

Aliás, irei mais longe: não apenas não se vislumbra claro responsável em cada caso, como a responsabilidade surge, em geral, ela própria repartida por protagonistas aparentemente antagónicos e, desconcertantemente, até de aparentes interesses opostos.

Leia artigo completo AQUI.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:37


setembro 01, 2010

fotografando o dia (156)


é mistério da Justiça
onde vivemos à peça
que nalguns a vida atiça
o que a outros sai depressa

mendiga algum dignidade
da vida lhe basta um pouco
o outro come à vontade
e faz ouvidos de mouco

seres todos nós seremos
uns de teres outros de não
e uns aos outros fazemos
o que não se faz a um cão

- quadras e fotografia de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:59


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas