<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
julho 31, 2009

destino de férias (1)

Jardins da Gulbenkian, em Lisboa. Lá dentro, exposições, livros, música... Mas, cá fora, um nicho de tranquilidade no caos urbano. Os patos selvagens lá vão constituindo família, por entre os caniços da margem do lago, assarapantando o espelho de água, na mira do pãozinho diário que almas tranquilas sempre estão dispostas a prodigalizar.

E são, também, os pombos, as percas, os cágados, as rãs, os camões (!), as libelinhas, tanta, tanta bicharada, por ali, à solta, misturada com os humanos, sem perturbações do ambiente.

Senta-se uma pessoa numa sombra fresca, com vista para o verde, e deixa-se por ali ficar, a ver como passa o tempo, atirando migalhas aos pombos e até parece, numa fracção de segundo, que tudo está onde e como devia estar...

- fotografia de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:51




férias ou gozo de licença anual?

Portugal tem este tempo ameno. Tem História e Tradição em cada virar de esquina. Mas também tem a crise e os políticos que sabemos...

Nestas férias, que me chegam pelo usufruto de um direito consignado num Acordo Colectivo de Trabalho (alguém, ainda, sabe o que isso é...?), que se denomina «gozo de licença anual», pelo qual - pasmem, ó gentes! - houve quem desse a VIDA, esse bem superiormente precioso e tão escasso, mesmo à escala universal, tentarei partilhar convosco alguns momentos das COISAS BOAS DA VIDA, que se me oferecerem.

Subversivo, q.b., face aos valores (que alguns querem) estabelecidos. Mas nada de transcendente, que a transcendência das coisas está sempre na sua simplicidade.

Mas sempre por bem de mim e, presumivelmente, por bem de vós. Os dias o dirão...

Desejo, pois, a todos o mais feliz gozo da licença anual a que tenham direito... E, aos outros, considerem seriamente a possibilidade de lutar por aquilo que se vai perdendo.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:13


julho 29, 2009

fotografando o dia (132)


de súbito
a simetria e o amarelo
o pavimento e a calçada
e algo de belo
desponta
numa rua urbanizada

a cor que assim dá cor ao meio urbano
virá de que matriz?

será talvez da árvore
infeliz
a roubá-la do chão pela raiz
às vibrações do metropolitano…

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:41


julho 28, 2009

projecto literário - um esclarecimento

A propósito de algumas questões que me foram recentemente colocadas e que se prendem com o facto de os meus livros não se encontrarem disponíveis nas livrarias, face à estranheza por tal facto da parte de quem se me dirigiu, considero que este esclarecimento pode fazer algum sentido. Assim, mesmo sabendo que, para além da sublime mas circunscrita área do meu umbigo, esta arenga poderá não ter interesse para mais ninguém, eis aqui algumas das razões que, sucintamente, norteiam esta minha opção:

- Não sou um profissional da escrita. Entenda-se esta afirmação linearmente, ou seja, não sobrevivo ou dependo, economicamente falando, com ou daquilo que escrevo. Ainda que, vejamos - e antecipando juízos apriorísticos -, nada tenha contra quem faz disso opção de vida.

- Esta prévia circunstância - que, desde logo, me permite uma relação de grande liberdade com a folha de papel e/ou com o teclado - determina, por outro lado e em acumulação, que, desde as temáticas ao seu planeamento, as minhas escrevinhações não dependam de circunstâncias ou influências impostas, mas tão-só das assumidas, o que me é, convenhamos, muito mais confortável.

- Por outro lado, não concordo com - e confesso ter dificuldade em entender - as percentagens «oficialmente» instituídas no mercado livreiro, bem como com as suas práticas e lógicas mais comuns na gestão da obra literária. Resumidamente, diria a este propósito que os cinquenta e tal a sessenta por cento do preço de capa destinados aos circuitos de distribuição, pagos tarde ou nunca à editora, com exemplares devolvidos - quando o são... - em péssimas condições, pelos tratos de polé entretanto recebidos, são de molde a olhar eu para esses circuitos de modo muito enviesado...

- Excepção feita, sublinhe-se, ao esquema que mantenho com a Apenas Livros que não se integra em modelo nenhum que se aproxime do acima descrito.

- Assim, opto por tiragens pequenas e razoáveis, que transporto comigo nas acções para que sou convidado... e, como já alguém me disse, os amigos compram-nos os livros, que mais não seja para cooperarem com ou promoverem o próximo lançamento. Terá este sistema muito mais inconvenientes do que abordagens abonatórias, no que ao recheio da carteira interessa, mas também não é menos certo que ele me permite uma maior proximidade ao meu leitor, sem que para tanto eu precise sequer de pensar em termos de «público-alvo» ou outras perversões da arte da escrita.

Não me tenho dado mal com tal esquema, o que vos poupará à audição de algum queixume ou lamúria. Seguramente que as receitas não cobrem os encargos. Mas, como fica dito, não sou um profissional da escrita. E vou escrevendo o que me dá na realíssima gana, coisa que não tem preço.

Não sendo profissional, serei amador. E amador quer-se aquele que ama.

E também evito, dessa forma, uma «competição» entre autores que, essa, então, estará nos antípodas da minha maneira de ser.

Conto, evidentemente, com tais atitudes ganhar o céu. Ó vós, que do alto me escutais...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:58


julho 25, 2009

poeMar
no Farol de Santa Marta
- Cascais

- Com os meus agradecimentos pela cedência de fotografias a
Eunice Fonseca, Vítor Silveira e Lourdes Calmeiro
e, pela amável recepção, à nossa anfitriã, no evento, Sandra Santos,
da Câmara Municipal de Cascais -


A equipagem apresta-se para a viagem que o mar de azeite e a brisa leve propiciaram...

Jorge Castro - Mário Piçarra - Estefânia Estevens - Francisco José Lampreia - David Silva - Carlos Peres Feio - João Baptista Coelho


Sob a égide das duas palmeiras, arvoradas em mastros de verde velame, foi levantada a âncora e iniciou-se a rota...


A nau singrou, carregadinha de afectos e outras especiarias...



Para se chegar ao mar, houve que descer um rio, primeiro...





... Em breve arribámos ao Farol de Santa Marta...


... e houve uma praia tangida ao som de chula minhota e nem as gaivotas se esqueceram de soltar o seu grito quando foram invocadas...

Era de noite, cerrada, e, no entanto, aqui e ali parecia despertar um amanhecer...


... que os dias já bem passados nunca enjeitam...


... pelo contrário, sequenciam, na certeza dos eternos retornos...


... cruzando as experiências e os viveres que nos enriquecem e aproximam...


Chegou-nos José Afonso, que em tocando a música e poesia, difícil é encontrar um mar como o dele...


Depois, as vozes que nos confortam e que não queremos deixar morrer...


Ninguém teve dúvidas sobre um serão bem passado...


... e mesmo o vento frio que veio açoitar marinhagem e passageiros levou alguém a arredar pé...

... até que as velas se recolhessem, atingido o termo da viagem....

E assim se viajou até novo porto, até novo encontro.


E como me foi sugerido pela leitura do blog de Jaime Latino Ferreira, a Música das Palavras, que apenas por motivos de saúde não pôde estar presente, mas que sempre foi acompanhando esta viagem:

a luz não meço
em cada passo que faço
nesse eterno recomeço
luz de farol dirigida
que atravesa o meu regaço
a dar um sentido à vida

de luz me faço
de luz vos tenho
neste universo que abraço
- o farol do nosso empenho

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:19


julho 21, 2009

poeMAR - convite

Na próxima sexta-feira, dia 24 de Julho, pelas 21h30, na esplanada do Farol de Santa Marta, em Cascais, alguns dos habitués das Noites Com Poemas juntar-se-ão para dizer poemas sobre o mar... sobre o mar.


Local aprazível, sugestivo, um bom recanto para iludir a tensão urbana. Uma bebida, um poema, duas palmeiras, alguns amigos... Deixo-vos esta amena sugestão, a ouvir o mar.

Do grupo fazem parte o Carlos Peres Feio, a Estefânia Estevens, o Francisco José Lampreia, o João Baptista Coelho, o David Silva, o Mário Piçarra e eu próprio.

Tudo boa gente... e eu próprio.

Apareçam. Logo ali, à saída de Cascais, junto à Marina. O tempo? Ora, há-de estar de feição, pois... Entretanto, cá fica uma sugestão:

Se no mar sobrassem ondas

se no mar sobrassem ondas
como nos sobra o penar
quantas penas
quantas ondas
tanto mar a desbravar

e se nos ventos houvesse
alguma prece ou lamento
quanta pressa
quanto tempo
tanta vela a enfunar

e se no mar os navios
naufragassem de pesares
quantos braços
quantos remos
tantos barcos de remar

quem me dera ser o barco
para contigo vogar
quantas rotas
quantos ventos
tantos mares para singrar

ser falua à descoberta
ser nau de incerta procura
quantos rumos
quantos hinos
tantos caminhos no mar.


- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:37


julho 20, 2009

estamos no ponto...

Manhã cedo. Comboio do Fogueteiro. Tempo de veraneio, logo, menos pressão de utentes.

Uma passageira, aí pelos seus quarentas, tem um acesso de tosse. Nada de grave, nem especialmente notório. Um mero acesso de tosse, daqueles que podem sobrevir quando nos engasgamos com uma pastilha elástica...

No acto, todos os vizinhos dos bancos em redor se levantaram e procuraram lugares bem mais afastados.

A pobre, constrangida, até lhe vieram as lágrimas aos olhos.

Eis um excelente cenário para o início de um filme de terror, bem perto de si.

Receio que se cumpra a profecia poética de O'Neil e, um destes dias, venhamos a descobrir que estamos todos transformados em ratos.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:24


julho 18, 2009

os Poetas da Apenas

Magnífica sessão! Sem descabidos pudores nem deslocadas modéstias, a 44ª sessão das Noites Com Poemas - Os Poetas Da Apenas - não terá deixado indiferentes todos quantos deram corpo ao evento.

Iniciada a função pelas 17h30, não foram muitos os jovens autores que compareceram, tanto mais que a sessão de lançamento das Estórias do Amanhecer, das colectâneas do Café Grilo, já tivera lugar e, no momento, muitos partiram já para os seus destinos de férias.

Contaram, entretanto, os que compareceram e, entre eles, uma das cordenadoras do projecto, Ana Bela Perdigão.

Na fotografia abaixo, a autora Beatriz Brito, porventura num primeiro de muitos esperados autógrafos.
Após um animado e prazenteiro convívio com quem ia chegando, e de um confortável repasto - obrigado, senhor Sampaio! - teve início a segunda parte, pelas 21h30.

Com a moldura da exposição de Pintura Cidades em Construção, de Maria Eduarda Oliveira, tiveram lugar as mesuras e agradecimentos devidos a quem se empenha para que cada sessão tome forma e conteúdo. Aqui uma palavra à Lídia Castro e à Lourdes Calmeiro, que sempre me têm acompanhado, desinteressada mas empenhadamente, na organização e logística das sessões.

Os agradecimentos estiveram, como nos competia, a meu cargo e da Fernanda Frazão, da Apenas Livros.

Passados os preâmbulos, a sessão teve início com a leitura do texto de um dos autores das Estórias do Amanhecer, com 9 anos de idade, texto esse muito adaptado às circunstâncias que envolvem esta comunidade - porque assim já pode ser nomeada - e que serviu de mote para o que se avizinhava.


A Fernanda Frazão leu uma mensagem dirigida à assistência, remetida pelo poeta asturiano José Luis Campal, justificativa de ausência, mas congratulando-se com a realização do evento, que contava, também, com obra sua publicada pela Apenas (Llibretina de tornes).


Júlia Zulus (oboé) e Luís Morais (violino), mestres em Viena, que se deslocaram propositadamente para esta sessão, embeveceram a assistência com o alto nível das suas interpretações, criando uma envolvente mágica... que, entre outras coisas, teve o condão de elevar bem alto a fasquia da qualidade para cada um dos presentes.


Bach, Mozart, Tilemann... também eles, pela mestria destes excelentes intérpretes, engrossaram o caudal que a todos envolveu e inspirou.



Dando lugar aos Poetas e à Poesia, Joana Ruas disse Floriano Martins...


Maria Francília Pinheiro, uma vez mais, nos deu a sua arte de tão bem dizer, mesmo quando o conteúdo seja de maldizer...


Carlos Peres Feio, sempre poupado no tempo, traz a prodigalidade dos afectos em redor desse ser sublime que é a mulher...


Clarinda Galante emprestou e bem a sua voz à Paula Raposo, que (bzzzzz...) escreve bem, mas furta-se à leitura, em voz alta... e ainda se há-de descobrir porquê.

Francisco José Lampreia contou com uma audiência atenta e interessada...


E João Baptista Coelho surpreende-nos sempre com a sua juventude e força anímica. E ainda nem é poeta da Apenas... Mas há-de ser!

Os prémios de comparência, com assinatura da senhora Vereadora da Cultura, Ana Clara Justino, da Câmara Municipal de Cascais, são distribuídos pela Fernanda Frazão aos autores - na fotografia, à Paula Raposo - bem como à Júlia Zulus e ao Luís Morais.

Ana Freitas surpreende-se com uma sua missiva em forma de poema, trazida à sessão de forma inesperada e muito aplaudida pela sua actualidade e espírito de combate.

Maria Estela Guedes traz-nos as suas próprias evocações de Africa, ao mesmo tempo que dá voz a Fernando Botto Semedo e a dois dos autores da colecção Naturarte, que coordena, também publicados pela Apenas: Floriano Martins e João Rasteiro.
David Silva prova a quantos o ouvem que a maturidade do espírito não tem idade.

Estefânia Estevens, acompanhada por Mário Piçarra, deslumbra-nos e presenteia-nos com uma interpretação muito pessoal de trabalhos do José Afonso.

E Carlos Peres Feio aproveita o ensejo para se fazer, musicalmente, acompanhar. Eloisa dá uma mãozinha (ou ambas) ao Mário, para uma envolvência de além-mar.

Numa pequena homenagem a Hipólito Valente, co-autor com Mário Piçarra, um poema que conheceu a luz num álbum dos Terra a Terra é interpretado a duas vozes e dois estilos...

... necessariamente, com outra alma que o autor, também da música, lhe confere.

Ninguém teve pressa para sair e a meia-noite era chegada. O dia seguinte, dia de trabalho. Mas o momento era dos afectos. Das vaidades, também, porque não? E dos orgulhos. De sermos, de estarmos e de fazermos!

Por fim, ainda os autógrafos dos autores - na foto Ricardo Álvaro.


A Apenas Livros tem à venda todos os exemplares dos livros dos autores evocados na sessão, como de tantos outros mais.

Eu adquiri um exemplar de cada. E recomendo, porque uma Editora assim não vive de ar e vento!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:03


julho 14, 2009

noites com poemas
sessão especial
Os Poetas da Apenas

Esta será uma sessão especial das Noites Com Poemas, no próximo dia 16 de Julho, a partir das 17h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, para a qual vos convido.

A partir das 17h30 será apresentado, por quantos queiram participar no evento, o V Volume da série Escrever É um Lugar Tão Perto, com o sugestívo título de Estórias do Amanhecer, constituído pelos trabalhos literários de jovens dos 7 aos 17 anos (edição da Apenas Livros), coligidas pela iniciativa do Café Grilo (Alto dos Lombos, em Carcavelos).

A seguir haverá convívio informal, a dar aso à tão arredia «converseta», e durante o qual sugiro, também, uma visita à exposição de pintura Cidades em Construção, de Maria Eduarda Oliveira, que está patente no salão nobre da Biblioteca.

De seguida, pelas 21h 30, terá início o encontro de escritores da Apenas Livros, com obra publicada já no ano de 2009, sessão que decorrerá com a informalidade habitual, mantendo-se, também como é uso da casa, o apelo à participação dos presentes.

Enriquecendo o encontro, Júlia Zulus (oboé) e Luís Morais (violino) interpretarão obras de Mozart, Telemann e Bach.

Creio não enganar ninguém ao referir que mais algumas surpresas decorrerão nesta sessão. Mas, melhor mesmo, é experimentá-lo, que julgá-lo...

As obras anunciadas e os respectivos autores:

- Tríptico fálico, Vítor Vicente
- Llibretina de tornes, José Luis Campal
- Escrevo-te sobre o fogo, Artur Patrício
- Nevou este Verão, Maria Paula Raposo
- Sangue em flor, Fernando Botto Semedo
- O sol nos olhos, Manuel Filipe
- Chão de papel, Maria Estela Guedes
- Brinquedos de latão e sarampo, Luís Serra
- O Sol quando nasce, João Barbosa
- A alma desfeita em corpo, Floriano Martins
- Pedro e Inês ou As madrugadas esculpidas, João Rasteiro
- Requiem par'Imortais, João Pereira de Matos
- Cânticos de Zomba e Zurzimento, Jorge Castro
- O espantador, Ricardo Álvaro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:55


julho 13, 2009

vaidades...

Dia 11 de Julho, Biblioteca Operária Oeirense. Como se esperava, apesar de tempo de praia e de uma imensidão de ofertas culturais, por Oeiras e arredores, contou-se com uma sala muito bem preenchida...

A recepção, simpática e amável, feita pela Directora da Biblioteca, Isabel Domingos, deu o mote para uma tarde bem passada.

A Gabriela Morais e a Fernanda Frazão encheram-me de mimos, como se vai tornando hábito - e que, diga-se em abono da verdade, não me incomoda nada, não senhores, pelo contrário, muito me apraz... - subverteram, também, os espíritos com a sua Teoria da Continuidade Paleolítica, a inquietar ospresentes com o encantamento da nossa ancestralidade... e a tornarem-me penhor de 40.000 anos de bardos e de poetas que sempre nos inundaram as almas.


Os Jograis do Atlântico - Edite Gil e Francisco Félix Machado - ajudaram, graciosamente, à festa, ainda para mais trazendo a surpresa da excelente participação do guitarrista Paulo Vila de Freitas...


Creio bem que ninguém terá dado o tempo por desperdiçado


Em dois momentos se ouviram os Jograis do Atlântico...



... e não se divisam senão sorrisos no círculo de amizades...



... o que me leva a pensar, despudoradamente, que há sacrifícios que valem muito a pena.


Celebridades, na correnteza dos autógrafos. Sim, celebridades que me honram com a sua companhia nas encruzilhadas dos poemas....



... onde mora sempre o tempo para o abraço prometido.


( - Vês, São? Este é o poeta CaPê de que te falei, companheiro das Madrugadas de Poesia, lá por Oeiras...)


- Agradecimentos ao Carlos Faria e ao Carlos Simões pela disponibilização das fotografias.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:12


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas