<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
maio 30, 2009

CONVITE -


- Hoje, pelas 15h30, promovido pela Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha, no Auditório da Bibliotca Municipal das Caldas da Rainha, será lançado o livro com o título Não Me Tirem O Útero!..., da autoria de Pedro Laranjeira, versando uma temática sobre a qual urge uma grande difusão informativa.

Homem de causas, sem enjeitar ou recusar controvérsias, Pedro Laranjeira traz para as luzes da ribalta a denúncia dos efeitos perniciosos de algum mercantilismo na Medicina, ao mesmo tempo que divulga alternativas, na prestação daquilo que posso, sem qualquer espécie de favor, rotular de serviço público.

A importância do acontecimento pode resumir-se no seguinte:


PROGRAMA
  1. Intervenção Inicial da Comunidade de Leitores
  2. Intervenção de Fátima Fernandes da Editora FREE ZONE
  3. Apresentação do escritor Pedro Laranjeira
  4. Apresentação do livro Não me tirem o útero!..., pelo seu Autor, Pedro Laranjeira
  5. Participação especial do poeta Jorge Castro
  6. Bailado coreografado por António Ferreira. Participação de Cátia Sousa.
  7. Apresentação do Prof. Doutor João Martins Pisco
  8. O Prof. Dr. Martins Pisco falará da nova terapia de tratamento de miomas uterinos e responderá às questões colocadas pela Assistência
  9. Testemunhos de Pacientes que já beneficiaram da Nova Terapia
  10. Encerramento da Sessão pela Comunidade de Leitores

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:21


maio 26, 2009

25 de Abril nem que seja a 28 de Maio...

35 Anos de Abril: caminhos andados, para onde vamos?

Este o desafio e a reflexão propostos pela Associação 25 de Abril para uma série de sessões, de temática diversificada, que têm vindo a ocorrer na sua sede, na Rua da Misericórdia, 95, em Lisboa.

A mim tocou-me a Poesia e o tema que proponho (relembro) é essa verdade que nos chegou nas palavras de Gedeão: o sonho comanda a vida.

Dão-me o prazer e a honra de me acompanhar nesta pequena-grande aventura os seguintes companheiros de jornada:

- Estefânia Estevens
- Francisco José Lampreia
- Carlos Peres Feio
- David Silva
- João Baptista Coelho

A sessão terá início às 18h30 do próximo dia 28 de Maio (quinta-feira)... Eis uma data ainda envolta em fantasmas e, porventura, com personagens afinal bem reais. Excelentes local e momento, então, para serem exorcizados.

Se tiveres um poema que queiras partilhar connosco, trá-lo contigo - o espaço e o espírito são abertos. E, claro, como nem podia deixar de ser, traz outro amigo, também.


- cartaz de Alexandre Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:28


maio 23, 2009

fotografando o dia (129)


vê tu bem o que vem neste jornal
que anuncia o dia em letra formatada

achas bem que se traga tanto mal
quando a vida anda em tanto mal tratada?

eu por mim já nem sei bem afinal
de que vale deixar-se a vida adiada

vou vivê-la na urgência sideral
água fogo terra ar e tudo ou nada

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:57


maio 19, 2009

noites com poemas
com Maria Francília Pinheiro


A próxima sessão das Noites com Poemas, na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana, tem como convidada Maria Francília Pinheiro. O tema/desafio proposto pela convidada - Poesia que a Mágoa Tece - aponta-nos para uma outra fonte inspiradora da coisa poética.

Quem canta seus males espanta, lá se diz... Pela qualidade a que nos habituou no seu discurso poético, é com expectativa que aguardamos pelo que Maria Francília Pinheiro nos dirá da sua obra e desta sua abordagem à poesia.

Dia 21 de Maio, pelas 21h30. Como sempre, nós lá estaremos, à vossa espera. Tragam um amigo e um poema. Cabe sempre quem vier por bem.

E cá deixo, em antecipação, a minha deixa para Francília:

Poemas que a mágoa tece

a dor que faz doer por vezes mói
para além do que dói ou faz sofrer

um ficar a sós
e adormecer
e acordar em nós
em cada amanhecer

algo assim a tingir a nossa voz
com a cor baixa do pranto
que não sai

algo assim que de pouco se faz tanto
desencanto
por onde a vida se esvai

filigrana de temores
ou desamores
inconstâncias de uma vida por viver
que se escora
muito longe de uma aurora
e se atarda num tardio desviver

e de súbito num momento assaz perverso
nos transcende na urgência de algum verso.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:09


maio 18, 2009

positivamente


Para além de méritos ou deméritos que se possam querer assacar a um evento como os Globos de Ouro, da SIC, retenho e realço um apontamento que, num recanto do mundo pródigo em invejas, assume foros de lufada de ar fresco:

O actor Nuno Lopes, após receber o galardão de Melhor Actor de Cinema, chama ao palco os demais nomeados e, numa partilha conjunta, reentrega o prémio a António Feio, seu companheiro de aventuras de palco mas, simultaneamente, o seu mestre nas lides artísticas.

Não se tratou de uma homenagem serôdia a qualquer fim de carreira anunciado, mas um abraço fraterno e reconhecido a um companheiro de armas.

Comovedor e exemplar! O meu chapéu!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:11


maio 16, 2009

fotografando o dia (128)


ai
garnizé
garnizé
sai-te a alma em cada passo
vai-te a vida em cada pé

nessa marcha
feita em pontas
quanto o orgulho
que contas
a quantos te dêem fé

se o final for cabidela
mesmo assim
dizes que sim
sim senhor
a vida é bela

ai
garnizé
garnizé
quase de fogo vestido
num aprumo
envaidecido
a mostrar-nos como é que é

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:52


maio 13, 2009

Carcavelos
e o Professor Fernando Catarino

Integrado no movimento Rumo Ao Centenário, da Associação dos Bombeiros Voluntários de Carcavelos e São Domingos de Rana, teve lugar, no passado dia 10 do corrente, um passeio por Carcavelos, que teve como guia o professor Fernando Catarino.


Com a sua proverbial jovialidade, com o seu humor peculiar e com a sua imensidão de saberes, para cima de oitenta viventes usufruíram desta excelente companhia, através de ribeiras, pedras, casas, leiras, árvores, usos, costumes de que estamos afastados e esquecidos e que, pela mão do mestre, de súbito nos rodearam, intemporais e presentes.


Um espírito crítico agudo, temperado com uma lúcida tolerância, alerta os espíritos para o primordial da Vida, reservando apenas um olhar passageiro para o acessório, que por ali está, mas... é acessório.


Apontam-se as marcas ancestrais que construíram e enformam os viveres e que são as fronteiras de que carecemos para nos situarmos no tempo presente e estruturarmos o futuro.


Pelo caminho, apreciámos que nem tudo é descurado. Que aqui e ali uma congregação de vontades desperta (e desperta-nos) para esses laços com o passado através de um presente activo e empenhado.


As ribeiras que ladeiam Carcavelos mostram, à evidência, como numa escassa centena de metros as águas encardidas pelo mau uso que lhes damos podem, mediante a colaboração das plantas que crescem no seu leito, purificar a água até ao ponto de a transformar em cristalina, numa «etar» natural, que deve servir-nos de exemplo. Mas que ressalta ao nosso olhar distraído pela militância e paixão do professor Catarino.


Depois, a palestra informal, na Quinta da Alagoa, onde até os patos acharam por bem dar ouvidos aos saberes.


Do alto do torreão, para onde se encarrapitou num ápice, com um vigor sem idade, mostra-nos o que a natureza e o homem podem criar quando sabem conjugar-se. Tanto quanto o inverso pode acontecer quando o divórcio ocorre.

E ala, que se faz tarde! Toca a reunir com a graça e a urgência do caminho, que ele há muito para saber e conhecer e o tempo é sempre pouco...

Um afago, uma despedida a duas árvores irmanadas que morreram, porque assim teve de ser, perante alguma insensatez de quem as plantou tão unidas e conflituosas. Os tempos, aparentemente, ainda não serão muito favoráveis a determinadas uniões de facto...


Em todos a irreverência do guia provoca sorrisos, pelo desassombro bem humorado no comentário chistoso.


Mais de duas horas levava a passeata quando chegámos ao centro de Carcavelos e se o trajecto ia a meio, o interesse mantinha-se em crescendo.

Uma pereira brava, do tempo dos nossos avós e das quintas que rodeavam Carcavelos, sobrevivente a urbanismos apressados e inconscientes, mereceu o cumprimento da comitiva e especial referência do professor.

Por razões históricas diferentes, fez-se a ponte entre a Quinta Nova e a St. Julian's School, aproveitando para a fotografia de família.


Ponto alto do passeio ocorreu quando o professor Fernando Catarino, unindo tão só a terra e a água, nos mostrou os matizes que as cores da natureza nos podem trazer e, em escassos metros quadrados, apurámos uma gama de cores, indo do amarelo pálido ao ocre intenso, tintas indeléveis de quadros por pintar, ali, todas, ao alcance da mão.

Uma estátua - ainda que galhofeira - conquistada e merecida!

Deste passeio foi lançada mais uma pblicação de cordel, da Apenas Livros, da autoria de Fernando Catarino, com o título Carcavelos e o Vinho: o solo e os caminhos da água. Para quem não pôde fazer este percurso no terreno, que o faça agora pelas págnas deste livro. Basta contactar a Apenas.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:05


maio 09, 2009

oito de Maio e um mar de poemas

O dia 8 de Maio foi pródigo em homenagens à Poesia, aqui pelas redondezas.

Pelas 18 horas, na Escola Conde de Oeiras, ocorreu o encerramento da Semana da Leitura e da Escrita. Para tanto, teve lugar uma sessão de Poesia, onde partilhei o mesa com a professora Irene Cardona, o David Silva – antigo aluno da escola e promissor poeta –, os Jograis do Atlântico (Edite Gil e Francisco Félix Machado)e, afinal, com toda a Comunidade Escolar – alunos, pais, pessoal docente e não docente.

Entre todos, onde não é demais destacar o empenhamento das participações de muitos jovens alunos daquela Escola, foi criado um elo solidário… que bem poderia servir de superior exemplo ilustrativo das virtualidades do ensino público.

Depois, pelas 21 horas e bem pela noite dentro, a terceira edição da Madrugada da Poesia, na Biblioteca Operária Oeirense, espaço onde o alto nível das participações, em crescendo ano após ano, augura uma iniciativa que marcará a história de Oeiras.

A tanto se junta, ao excelente acolhimento, nessa casa do Cramol e do Consonante, onde os afectos se aliam e compõem, uma simpática ceia, a modos de intervalo e aconchego de corpos, após o primeiro aconchego dos espíritos. Ceia essa a que não faltou uma incursão ao jardim interior onde uma nespereira nos esperava, ansiosa por disponibilizar à poesia uns excelentes magnórios. Fica, assim, tudo dito e outro tanto por dizer.

Por lá estive, superiormente acompanhado por, entre muitos outros a quem apresento as maiores desculpas por não ter retido os nomes respectivos, o Fernando Carvalho, a Paula Raposo, a Clarinda Galante, o Francisco José Lampreia e a Estefânia Estevens, o David Zink, o Carlos Pedro, o Miguel Partidário, a Edite Gil, o Luís Má-Cara, as «cramolianas» e os respectivos acompanhantes…

Um caloroso aplauso à Isabel Domingos, a senhora directora daquele espaço, pelo desvelo determinado com que nos propicia o prazer daquela partilha.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:49


maio 08, 2009

fotografando o dia (127)


'inda um dia hei-de ser ave
voando até onde acabe
o medo
nesta cidade

nem que venha D. João
e há-de ser este chão
céu maior
de liberdade

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:21


maio 05, 2009

pequeníssima reflexão do dia... e magnórios

... acabadinha de entrar na minha caixa do correio:

Fala-se muito da necessidade de deixar um planeta melhor para os nossos filhos, e esquece-se a importância de deixar filhos melhores para o nosso planeta...

Olá, Menina. O prometido é de vidro:

Magnórios! Magnórios! Magnórios! O que são? Aqui vão eles:

Nêspera e magnório são vocábulos sinónimos da linguagem comum. Não correspondem a designações botânicas distintivas. A diferença está relacionada apenas com a história destes vocábulos.
Nêspera provém do vocábulo grego méspilos, que transitou para o latim culto como nespila, que devemos ler como /néspila/ e chegou ao latim vulgar como nespira/néspira/. Na língua portuguesa tomou forma actual.
Magnório deve ser proveniente do nome do botânico francês Magnol, que deu o nome de magnólia à árvore de onde provêm os magnólios ou magnórios.
Os dicionaristas consideram o magnório um regionalismo minhoto, e têm nêspera como o vocábulo comum ao resto do país.
(Informação colhida em http://ciberduvidas.sapo.pt/pergunta.php?id=20152)

Comento eu: os dicionaristas não sabem inteiramente o que dizem. Eu, que não sou minhoto nem tenho minhotos na família, sempre ouvi dizer e disse magnórios... E só pronuncio magnólios quando tenho a boca cheia dos mesmos...

Fruta da época, nada como ela. E, então, acabadinha de colher da árvore, no lambuzo dos beiços e a cuspinhar os caroções em despiques de quem chega mais longe... Ah, maravilhas da infância!

Apontamento lateral: consultando as ciberduvidas.sapo.pt observo, com alguma incredulidade, que a grafia utilizada apresenta-nos Fa(c)to e A(c)to - que eu corrigi no texto acima. Ora, aqui está uma originalidade pateta em que somos tão pródigos... Pelo novo (des)Acordo Ortográfico nem sim, nem não, NIM - e inventa-se e aplica-se uma terceira via. É espantoso!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:38


maio 02, 2009

flores de Maio em Carcavelos


Estamos em Maio. A praia, a escassos dois quilómetros de minha casa, neste dia ensolarado, pode ser destino convidativo…

Mas há muita gente a pensar o mesmo, circunstância que confirmo de imediato, e que me arrefece o entusiasmo. Estaciono o meu carro a uns quinhentos metros, onde não há problemas de estacionamento, pois o luso-descendente aprecia sobremaneira levar o seu popó até ao areal, e disponho-me a um passeio a pé, só para ver as vistas. A tiracolo, a minha acompanhante diária, sempre à espreita do momento.

A escassos cem metros da praia, num terreno ainda há um ano esventrado por retro-escavadoras, pisoteado por milhentos carros, e atapetado de gravilha, na melhor tradição do pato-bravo portuga, para arremedos de estacionamento, a Mãe Natureza surpreende-me:

- numa explosão de cor e de vitalidade, numa mão cheia de metros quadrados que não chegam para um campo de futebol, ergueu-se uma catedral à Vida.

Aqui partilho convosco algumas delícias campestres. Ainda bem que as plantas não carecem de burocratices para exercerem o seu inalienável direito à existência – e subvertem o dia com o seu esplendor.

Um exemplo a reter…


(Entretanto uma actualização do Google varreu as imagens para o espaço sideral... O autor lamenta a falta de pré-aviso, mas o certo é que não tem as imagens para partilhar, como acima se anuncia...)

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:36


maio 01, 2009

Viva o 1º de Maio!
Abaixo as pandemias!

É o 1º de Maio o que hoje se comemora. Porquê? Porque há uma mão cheia de anos, uma mão cheia de homens deu a vida para que a minha jornada de trabalho não excedesse as 8 horas.

Coisas simples e elementares, como a dignidade humana, sustentaram a luta. Coisas simples e elementares mas que contrariam, ainda hoje, os Belmiros, os Amorins, os Sócrates e outros quejandos, vendilhões do templo do nosso descontentamento… e já tantos anos são passados.

Entretanto, as razões permanecem as mesmas, tal como os interesses – declarados ou não – dos seus detractores.


Pelo caminho, temos as pandemias. Vamos na quarta, em muito pouco tempo. Primeiro foi a pandemia da gripe das aves, depois foi a pandemia das armas de destruição maciça e do terrorismo, logo a seguir a pandemia da crise e, agora, a pandemia da gripe suína ou A, como foi rebatizada, para não estragar o negócio pandémico da suinicultura…

Haja sempre uma pandemia para nos manter timoratos com o dia da amanhã e agradecidos por quem nos «proteja», hoje!

Não vejo diferença entre os efeitos desta nova pandemia e os das demais. Provável insensibilidade minha. Registo, entretanto, com atenção agudamente desperta, os planos de contingentação que os governos e as grandes empresas fazem, no sentido de definirem quem, em situação de catástrofe, deve viver e quem pode ser descartável.

E anunciam-no, sem rebuço, nem pudor! A tal ponto chegou a arrogância e a confiança dos títeres e dos mandantes quanto à subserviência e acatamento dos servos, relativamente a esta sua postura de deuses de pacotilha.

A tal ponto chegou a convicção, afinal balofa e insustentável, mas assente de pedra e cal, desta gentinha quanto a considerarem-se mais dignos de sobrevivência do que os seus próximos. E, quanto aos tais próximos, a sobreviverem menos mal com isso.

Darwin não sustentaria esta pose que, de científica, nem as penas tem.

Também, no Ano Internacional da Astronomia, me fica esta sensação constrangedora deste ser um universo tão limitado, tão sem o voo das estrelas.

Aqui fica, à reflexão de todos e de cada um…

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:56


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas