<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
maio 26, 2008

Farândola do Solstício - memórias de infância por terras de Miranda

Convite

Dia 31 de Maio, sábado, às 15h30,

no Museu da Electricidade (entrada poente),
em Belém, Lisboa - junto à estação de comboios de Belém,
será apresentado o meu mais recente livro,

Farândola do Solstício
- memórias de infância por terras de Miranda
.



Farândola, porque se quer uma dança de rua, onde os bailadores se dêem as mãos num cordão a perder de vista. Do Solstício, acordando velhos rituais de celebração à Vida e ao seu eterno retorno.

Memórias recolhidas nas vivências entre 1956 e 1964, acompanhando a saga da construção das barragens hidro-eléctricas do Douro Internacional, onde a intensidade da paisagem aliada à obra criada pelo engenho humano, temperada por solidariedades ao arrepio dos tempos que se viviam, fez daquela a minha terra de afectos, que perduram, e à qual me impus pagar tributo em vida.

Para o evento, que se quer, acima de tudo, uma festa, quero contar com a vossa presença, como conto já com os cânticos transmontanos que o CRAMOL nos vai trazer, bem como com o som dos Gaiteiros de l'Piara... e uma belíssima mão-cheia de amigos.

No espaço aprazível do Museu da Electricidade, junto ao Tejo - e com uma excelente exposição de fotografia a decorrer - o World Press Photo - espero poder proporcionar-vos um passeio memorável.


- concepção de capa e convite, arranjos gráficos e paginação de TunalightZone


- edição Apenas Livros, Lda.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:59


maio 22, 2008

por cada olhar um poema - a sessão

Poesia ou de como se transmitir, de outro modo, o modo vário que somos. Com a participação de alunos da Escola Conde de Oeiras, de Oeiras, as Noites Com Poemas tiveram um dos seus momentos altos, porque de pequenino se constrói o destino.


Na percepção de que pelo sonho é que vamos, os mais «antigos» fizeram transmissão de testemunho nessa prova de estafetas que é a vida... e a corrida prosseguiu.


Jovens que nos trouxeram poemas, alguns por si próprios feitos, com maturidade mal suspeitada que nos espanta, mas com esse olhar que a liberdade que construímos permite e sustenta.


E fica-nos a certeza insofismável de que é por este titubeante, primeiro, determinado, logo mais, bater de asas de mariposa que o mundo pula e avança e de que vale a pena passar pelos dias, em vez de deixar apenas que eles passem por nós.


Um grande agradecimento a quantos, «novos e velhos, de esperança em riste», encheram aquele salão de poemas com sentido, de gente com alma e de sonhos com olhares:

Dulce, Inês G., Marta, Inês C., Catarinas, Francisco G., Hugo, Inês P., Maria, Sofia, Andreia, José, Edite, Francisco, Estefânia, Emília, Hélio, Francília...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:50


maio 20, 2008

por cada olhar um poema


A próxima sessão de Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana será já amanhã, dia 21, pelas 22 horas, como é hábito.

O tema será esse mesmo: Por Cada Olhar Um Poema, com possíveis desafios que passam pela fusão da imagem e de um poema.

Para o efeito, conta-se com o apoio de uma série de trabalhos subordinados a este tema, executados por alunos da Escola Conde de Oeiras (Oeiras), que se encontram em exposição na Biblioteca.

Não menos relevante será o facto de alguns desses alunos, com o apoio dos Encarregados de Educação e dos Professores daquela Escola se terem disponibilizado para trazerem, também, um bouquet de poemas que eles próprios dirão.

Entrada livre, como sempre... e de braços abertos à vossa participação.

por cada olhar um poema


- de Federico Garcia Lorca:
«todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia é o mistério de todas as coisas»
e uma ajuda de Vinícius


cada olhar traz consigo esse passar
que passamos todos nós por todo o tempo
um olhar feito de nós
do nosso estar
quando estamos só em nós por um momento

cada olhar um poema
uma aventura
cada um de nós feito criatura
semeando em diário o seu destino
no desenho de um olhar doce e menino
ou talhado num olhar de fraga dura

pelo meio vivem sonhos
sensações
em olhares de alcançar o mundo inteiro
um abraço
um cansaço
ou traições
em lições de crescer de corpo inteiro

cada olhar traz consigo
esse mistério
de que são feitas as coisas em redor
mesmo quando a brincar
ou muito a sério
em poema somos
mistério maior

cada olhar é fugaz
ou passageiro
mas que seja esse lampejo que se apure
de a mentir ‘inda assim
ser verdadeiro
e que seja infinito
enquanto dure.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:17


maio 19, 2008

muito urgente!

De fonte devidamente identificada, pedem-me divulgação, que me parece perfeitamente legítima e justificada. Divulguem, também:

AS DIRECÇÕES REGIONAIS DE FINANÇAS ESTÃO A FAZER EXIGÊNCIAS ILEGAIS E INJUSTAS
AOS DEFICIENTES COM INCAPACIDADE PERMANENTE
INFORMAÇÃO

Pede-se a maior divulgação, a nível nacional, em blogs, correio eletrónico e órgãos da Comunicação Social Regional e Nacional:

1. Vimos dar conhecimento de uma situação perfeitamente abusiva da Administração Fiscal contra os Deficientes, especialmente, os que têm Incapacidade Permanente, conforme, resumidamente, se explica a seguir:

a) Há dois tipos de Deficientes: os Temporários e os Permanentes. Os Temporários têm que ser reavaliados quanto ao seu Grau de Incapacidade, no final do prazo estabelecido, pelo Ministério da Saúde. Os Permanentes, por a sua situação de saúde não considerada recuperável, pela Junta Médica, têm Atestados de Incapacidade Permanente válidos por tempo indefinido, pelo que não tem que ser reavaliado o seu grau de Incapacidade.

b) Os Deficientes, Permanentes ou Temporários, pagam IRS, e os que têm Graus de Incapacidade superior a 60%, têm Benefícios Fiscais, muito inferiores às suas despesas anuais de saúde.

c) Os Atestados de Incapacidade Permanente, do Ministério da Saúde, sempre foram considerados válidos, para efeitos de IRS, pela Administração Fiscal até final de 2007.

d) Pela primeira vez, a partir de Março de 2008, algumas Direcções Regionais de Finanças, sem qualquer fundamento legal, passaram a não considerar válidos milhares de Atestados de Incapacidade Permanente, legalmente emitidos pelo Ministério da Saúde, com base nas Juntas Médicas de avaliação de Incapacidades, do mesmo Ministério, realizadas antes de 2008. As Direcções Regionais de Finanças, têm, ainda sugerido, ilegalmente, aos Deficientes, que peçam uma nova avaliação, ao Ministério da Saúde, com efeitos retroactivos a 2004, quando, a partir deste ano, o Ministério da Saúde, só pode aplicar a nova Tabela de Incapacidades, altamente restritiva, que entrou em vigor em Janeiro de 2008. Por outro lado, os Deficientes Permanentes têm sido convidados a reformularem, no prazo máximo de 15 dias, os seus mod. 3 do IRS, de 2004, 2005 e 2006 ( a seguir virá 2007), o que, na prática, se traduz na perda dos Benefícios Fiscais e na devolução, ao Fisco, indevida e quase imediata, de milhares de euros, referentes a 2004, 2005 e 2006, perdendo, também, os Benefícios Fiscais a partir de 2007.

e) Muitas centenas de Deficientes Permanentes, apanhados de surpresa e não conhecendo os seus direitos, estão a pedir às respectivas Delegações de Saúde novas Juntas Médicas para reavaliação do seu Grau de Incapacidade, com efeitos retroactivos a 2004, o que não está previsto na Lei que entrou em vigor em Janeiro de 2008. Por outro lado, parece que este assunto, por ser recente e ter sido desencadeado a nível regional, ainda não foi devidamente analisado, juridicamente, pela Direcção Geral de Saúde e pelo respectivo Ministério, pelo que as Delegações Regionais de Saúde, não têm ainda instruções para, legalmente, se recusarem a realizar as Juntas médicas aos Deficientes com Incapacidade Permanente, pois os Atestados de Incapacidade Permanente, emitidos, antes de Janeiro de 2008, pelo Ministério da Saúde, continuam a ser juridicamente válidos e não podem deixar de ser considerados, como tal, pela Administração Fiscal

f) Além de um grande imbróglio jurídico e muito tempo e dinheiro perdidos, pelos Deficientes, Ministério da Saúde e Ministério das Finanças, com resultados duvidosos, será que esta medida ilegal e injusta da Administração Fiscal, de, na prática, diminuir os Benefícios Fiscais dos Deficientes Permanentes (que são uma pequena percentagem da População Portuguesa), irá resolver o problema do Deficit do Estado Português?

2. Há um grande desconhecimento desta situação. Por isso, depois de ouvidos alguns juristas, aconselhamos a que, se for Deficiente e receber uma notificação a pedir o seu Atestado de Incapacidade, tenha em atenção o seguinte:

a) Se o seu Atestado de Incapacidade for Permanente (porque não tem prazo limite para reavaliação) e tiver um grau de Incapacidade igual ou superior a 60%, deve enviar cópia do seu Atestado para a respectiva Direcção Regional de Finanças, dentro do prazo fixado.

b) Se o mesmo não for aceite e, num prazo muito curto, lhe pedirem novo Atestado, o que só é possível com nova Junta Médica, que lhe irá aplicar a Tabela de Incapacidades de 2008 e não aquela pela qual o Grau da sua incapacidade foi calculado, deverá recusar submeter-se a nova Junta. Em simultâneo, poderá ser notificado e convidado a reformular os mod. 3 do IRS, referentes aos anos de 2004, 2005 e 2006, o que se traduz numa perda de direitos legítimos e a ter de pagar, ilegalmente, ao Fisco, alguns milhares de euros, o que também terá repercussões para o futuro, em pagamentos adicionais de IRS e perda de outros Benefícios Fiscais. Também, dentro do prazo fixado, deverá apresentar a sua reclamação, pelo correio com aviso de recepção, recusando-se a ser submetido a nova Junta Médica e a fazer qualquer rectificação, ao IRS dos anos de 2004, 2005 e 2006, por não ter prestado falsas declarações, no preenchimento do seu IRS, quanto ao seu grau de incapacidade, baseado num documento legal, emitido pelo Ministério da Saúde. Deverá, também, dar conhecimento da sua reclamação, e pedir a ajuda dos respectivos Serviços Jurídicos, ao Instituto Nacional de Reabilitação, Av. Conde Valbom, n.º 63, 1069-178 Lisboa (e-mail: inr@seg-social.pt; Gabinete Jurídico, Telef. 217 929 500)

c) Caso não haja resposta favorável, da Parte da Direcção Regional de Finanças, deverá recorrer fazendo nova reclamação para o Director Geral de Impostos, pelo correio com aviso de recepção.

d) Caso este, também não acolha a sua pretensão, a fase seguinte é levar o caso a Tribunal. Poderá pedir a ajuda, ao Instituto Nacional de Reabilitação e entre outras Associações, se for esse o seu caso, à Comissão do Movimento dos Trabalhadores Deficientes em Defesa dos Benefícios Fiscais (e-mail: mtpd.bfiscais@gmail.com), e à Associação de doentes com Lúpus (e-mail: associacao.lupus@clix.pt, telef. 213 303 640), que já conhecem o assunto e darão o apoio possível, sem prejuízo de levarem o assunto a outras entidades ou aos Órgãos de Soberania.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:36


maio 18, 2008

o que não tem preço

Está uma bela manhã. Daquelas que eu gosto. O céu está azul, mas coalhado de nuvens e, ainda não faz meia-hora, choveu intensamente.

A manhã apresenta-se de cara lavada. Esta luz limpa alonga-nos o horizonte e as plantas e as coisas, rejuvenescidas, mostram-nos as suas cores mais verdadeiras.

Deu-me para trautear uma velha canção esquecida, que nem sei porque recordei. Apresto-me para aparar a sebe, que selvaticamente começa a interferir na minha relação com a vizinhança.

A brisa, leve, estremece apenas as folhas das árvores, carregadas de promessas de frutos. Os melros e os pardais empenham-se no sustento diário e na passagem de testemunho à geração seguinte, riscos voados, urgentes, atravessando o jardim.

A minha gata, cinzenta, rebola no verde da relva e mordisca ervas, no entremeio das emboscadas a presas imaginadas. Ouço-lhe imperceptíveis miados de gozo...

..............................................................................................

- Alguém que avise os donos do dinheiro de que nada disto está, ainda, cotado em bolsa!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:56


maio 14, 2008

da pedagogia e da falta dela...

José Sócrates é um ponto!

Ele fuma, o que é normal. Ele promove lei que proibe o fumo urbi et orbi. Ele e a comitiva governamental prevaricam, fumando longa e alegremente, num voo para a Venezuela. Ele é denunciado. Ele confessa. Ele alega desconhecimento da lei. Ele pede desculpas... não fica claro a quem, mas pode presumir-se que seja a si mesmo. Ele diz que isso não volta a acontecer porque, a partir de hoje, ele decidiu que não voltaria a fumar.

O José Sócrates é um ponto!

Aqui há dias, eu fui multado - e paguei no acto - € 250 (duzentos e cinquenta euros) por me ter esquecido - numa viatura com quatro anos de idade - de levar o popó à inspecção periódica. O meu atraso, segundo a lei, era, à data da ocorrência, de mês e meio. Sublinho tratar-se de uma viatura com quatro anitos e a actual legislação, que me colocou como prevaricador, ter sido alterada recentemente.

Nada demoveu - e muito bem! - o zeloso servidor da ordem pública que me autuou, mesmo esgrimindo as revisões em oficina da marca e agente autorizado, tão só porque dura lex, sed lex.

Como o José Sócrates é um ponto e, em latinismos, mais dado ao simplex, a questão que eu gostaria de lhe colocar - e se alguém o conhecer pessoalmente poderá fazer o favor de lhe levar esta minha questão, que eu ficarei muito grato - é a seguinte:

- se eu pedir desculpas a quem ele quiser fazer o obséquio de me indicar, os € 250 (duzentos e cinquenta euros) da multa paga ser-me-ão devolvidos?

É que, se não me engano muito, a confissão pública de uma ilegalidade implica a assunção, por parte dos agentes da ordem, das responsabilidades inerentes. Ou não?

É que se o pedir desculpas basta, tenho muita pena, mas, até por elementar direito constitucional, eu também quero!

Claro que não é disto que se trata, mas sim da necessidade imperiosa de o Primeiro Ministro de Portugal dever saber dar o exemplo, cumprindo (e não apenas fazendo cumprir) as leis que, quando nascem, era bom, estimável e profilático que fossem para todos.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:13


maio 12, 2008

Sugestões com letras

No próximo dia 16 de Maio, 6ª feira, a partir das 21h30,
eu e um grupo de amigos iremos dizer poemas soltos
no Art Shopping,
em Cascais (Rua Afonso Sanches, em frente à esquadra da PSP).


Poemas avulso, vozes libertas, que se deixam ofuscar pelo brilho de um pirilampo - que ainda os há! Talvez por isso um poema dito à noite possua mais cor e o poeta veja «no fundo da mina, apenas o que não ilumina», como nos alertava José Gomes Ferreira.

Venham, tragam poemas e conheçam, também, um espaço original.

*

Para quem se fique por Lisboa, nesse mesmo dia, pelas 18h30, deix
o uma sugestão para o lançamento de um livro da autoria de João Firmino, ao qual, não podendo eu estar presente apenas por não poder estar em dois sítios ao mesmo tempo, deixo aqui um abraço e os votos do melhor sucesso para mais este seu empreendimento...
E creio que o desafio proposto promete. Vejam informação mais detalhada clicando sobre a imagem abaixo...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:45


maio 08, 2008

Madrugada da Poesia
na Biblioteca Operária Oeirense

Com a devida vénia, respigando do colega ARS INTEGRATA,
esta sugestão:


CONVITE À POESIA em Oeiras



GOSTA DE POESIA? DECLAMA POESIA? FAZ POESIA?
CANTA POESIA? TOCA POESIA?



«Na próxima 6.ª feira, dia 9 de Maio, a partir das 21H30, terá início mais uma MADRUGADA DA POESIA, evento anual promovido pela BOO (Biblioteca Operária Oeirense), no seu edifício-sede (R. Cândido dos Reis, 119 - Oeiras, perto dos Paços do Concelho, no centro histórico da vila).

Na «MADRUGADA DA POESIA» poderá declamar ou dar a declamar a sua poesia, a de poetas seus eleitos, ou simplemente ouvir os intervenientes.

A entrada é livre, mas, para participar, convirá inscrever-se pelo telefone: 21 442 66 91 (das 15h às 19h)

A histórica BIBLIOTECA OPERÁRIA OEIRENSE, cujo lema inscrito no seu emblema é "Depois do pão, a instrução", é um verdadeiro Centro Cultural do Concelho de Oeiras que acolhe múltiplas activades culturais, artísticas, pedagógicas (incluindo uma escola de música) e de lazer, sendo também a residência do famoso coral de vozes femininas CRAMOL. Nos últimos anos, tem vindo a promover este concorridíssimo evento anual, o qual tem hora de abertura mas não de fecho, podendo estender-se noite fora enquanto houver resistentes.

São cada vez mais os participantes nesta madrugada. Junte-se a eles! Ars Integrata vai lá estar e... participar!...»

E eu, também!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:22


maio 04, 2008

banco a lamentar

A solidariedade é, para mim, muito mais do que uma palavra, uma atitude. A razão de ser de integrarmos esse clube gigantesco que se chama Humanidade.

Redistribuir, por aqueles que mais precisam, o excedente dos demais é, nesse contexto, uma lógica óbvia e coerente, mesmo levando em conta uma imensa diversidade de patamares de práticas e opiniões sobre a matéria.

Mas, no estadio civilizacional a que nos guindamos, somos pródigos em desvirtuar ou distorcer até ao irracional aquilo que partiu de uma intenção salutar nesse dar os braços humanitário que nos enforma.

Lembro-me da caricatura (e do insulto) que eram, nos idos salazarentos, os hipócritas chás de beneficência ou de caridade, onde as «colunáveis» da época estouravam escandalosos milhares de escudos para angariar misérrimos tostões, num suposto favor das mais nobres causas e em prol dos «pobrezinhos».

Do mesmo modo, debato-me, hoje, numa angústia quando assisto a uma imensidão de intrépidos jovens voluntários, que recolhem alimentos nas «grandes superfícies», apelando à dádiva solidária dos cidadãos, dádiva essa que, sem dúvida, contribuirá para minorar a fome que bate já a tantas portas portuguesas...

Mas não posso deixar de atentar na estupidez e desperdício que significa, por exemplo, fazer o apelo a oferta de alimentos adquiridos nessas mesmas «grandes superfícies», a preço de mercado, e cujos milhares de toneladas vão contribuir largamente e antes de mais para os destemperados lucros dessas mesmas «grandes superfícies»!

E pensar, depois e para cúmulo, que tantas dessas «grandes superfícies» são também fomentadores da precariedade ilegal no emprego, uma das grandes geradores do incremento da fome e de todo o tipo de carências sociais a que vimos assistindo, de forma galopante e descontrolada.

Afinal, ao adquirir um quilograma de farinha numa «grande superfície» para destinar ao Banco Alimentar, estou a alimentar quem?

Não é suposto caber ao Estado a redistribuição da riqueza criada, através da recolha de impostos - e são tantos! -, matando a fome a quem a tenha, dando a educação e a saúde aos que mais delas precisam, fomentar o emprego e vigiar pelo cumprimento das leis que a toda a comunidade deviam abranger?

Nesta inconsistência constante de atoardas que a comunicação impinge, quem se lembra, ainda, do ensinamento segundo o qual, mais importante do que dar o peixe, é ensinar a pescar?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:55


maio 01, 2008

1º de Maio...


... também pode ser um dia para procurarmos o que nos faz falta.

- foto de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:15


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas