<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
dezembro 30, 2007

2008 e 4 anos de Sete Mares


Cumpre-se mais um ano e outro mais já lá vem.

Sete Mares cumpre o seu quarto ano de marés, como forma estimulante de partilha e forma privilegiada de manter um contacto com o mundo e com a vida, onde o saldo se tem revelado largamente positivo.

Se a poesia é, entre tantas outras coisas, a arte superior de juntar palavras que, ontem ainda, mal se conheciam; se é, ainda, essa forma especial de nos expormos para além do visível; se, por fim - mas ainda com tanto para dizer - é a superior forma de partilha pela qual quando 'penso nos outros, logo existo', que 2008 se revele, para cada um dos visitantes que me honram e alegram com a sua presença, um ano poeticamente perfeito...

Que 2008 nos permita atingir as mais felizes e alegres realizações e que delas resulte um mundo melhor para todos.

dizer o quê de profundo
só por dizer sem proveito?
trazer à boca do mundo
o quanto dele é imperfeito?

dizer o quê ao chegar um novo ano
para mais sendo ele 2008?...

- ora, que não venha com ele mais desengano
e, à falta de melhor, traga um biscoito!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:43


dezembro 26, 2007

fotografando o dia (98)



neste cantinho do mundo
de pé descalço em calçada
sei do mundo o mais profundo
de mim não sei quase nada

espreito e não aproveito
quanto vem do mundo à pressa
se calhar falta-me o jeito
de virar pés p'rà cabeça

já ouvi falar do mar
navegar de ondas eternas
e de no mundo eu penar
já me vão doendo as pernas...
- foto e poema de Jorge Castro

Pelo jeito que as coisas levam, o Natal é mesmo de calendário, que já não é muito viável presumir ser ele quando a gente quiser. Mas, com a mesma lógica, o fim do ano é, inexoravelmente, no dia 31 de Dezembro.

Perante isto, aqui fica lavrado que eu faço questão de que aquele que está para vir seja bem melhor do que este que passou.
Melhor em quê? Ora, em felizes realizações, claro, que os momentos felizes existem! E é mais certo que aconteçam se os ajudarmos a acontecer.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:57


dezembro 20, 2007

Boas Festas com gente dentro...

Aconselha-se, nos blogs, a mensagem curta e incisiva, de leitura rápida e entendimento imediato, que o tempo não vai para ‘perdas’ de tempo…

Assim, vou fazer exactamente o contrário!

Estamos na quadra natalícia. Impus-me, como todos os anos venho fazendo, elaborar um cartão de Natal em forma de poema que dirijo a todos aqueles, próximos ou distantes, com quem partilho os caminhos da vida. A volta do correio é sempre um encantamento.

Decidi, por isso, partilhar convosco neste espaço não apenas o meu poema de Natal para 2007, como também duas das mensagens que, entretanto, recebi de alguns bons amigos, o Arnaldo Pereira Coutinho, o José Fanha, o Luís Roxo, o Francisco Torres, o Manuel Freire, o Miguel Brito, a Edite Gil... que compõem, na diversidade de estilos e abordagens, o meu entendimento do espírito de Natal.

Inventem, pois, o tempo. Não o darão por malbaratado.


*
NATAL
do Arnaldo Pereira Coutinho

Jorge, deste-me vontade de escrever um Natal que, agora, compartilho contigo.

Os doces

Desde logo o bolo-rei, as frutas cristalizadas a fava e os brindes embrulhados em papel.
Mas, mais ainda, as fatias douradas da avó Maria, prenhes de calda, de açúcar com canela.
Pelo caminho, coscorões da Avó Regina que Deus tem e as filhós feitas pela Marília com receita da Dª. Beatriz que, lá de cima, se orgulha desta vizinha tão prendada.

As cores

Como berlindes, as frutas enfeitam os bolos com o Natal das iluminações das ruas da baixa. Nas árvores cobertas de branco-algodão, as bolas de vidro vão adiando o “que pena que se partiu mais uma” e uma jubilação sem glória, trocadas por enfeites de plástico de formas e cores de atiçar um conflito de gerações. As casas ganham o brilho amarelo da corrente de 220 voltes espargida pela casa como se do lastro da fada Sininho se tratasse. Sente-se um efeito de levitação e sonho.

Os cheiros

São os fritos cortados pelo adocicado de muito açúcar espalhado que se mistura com frutas frescas – o ananás amadureceu e propaga o seu delicioso perfume ainda não quebrado pela tropicália de sabores que sucederam, depois de várias épocas, às especiarias da primeira globalização.

Os sabores

Do bacalhau ainda reservo algum amuo. As peles gelatinosas não percebiam o que a imaginação esperava da festa do Natal. Reservo o sabor do azeite espicaçado pelo frio de Dezembro que, com o pão mal cozido, chegavam para reduzir a nada a decepção daquela tradição incompreensível. Mas do cabrito levado ao forno da padaria e adornado de batatinhas de face corada, passam-me filmes de encantar que recordo com água na boca. Mesmo do galo que actuou como genérico em algumas das celebrações, nada a apontar. “Já cá canta”, era sempre a expressão final acompanhada a afagos de duas mãos aconchegando o estômago.

As pessoas

Era a família que chegava e outra que se chegava. Eram dias cheios, dias acompanhados. Era música, não, eram hinos de cânticos de crianças e de outras vozes todas de Natal. E era a conversa. Muita conversa que se misturava entre grupos de pessoas numa agitação reservada para a quadra e que só nela parecia fazer sentido. Tudo acontecia numa embalagem de harmonia em que as coisas eram isso e o contrário também. Do frio se gerava o calor; da ruidosa conversa o santo silêncio; do pequeno galo o farto peru; das perdas recentes os ganhos da vida presente e, assim, de pouco e nada se tinha muito e tudo. É esta alquimia do Natal que sempre recordo e que ano após ano espero ver repetir-se.

Abraço muito amigo … de todos cá de casa.

Arnaldo

*
UM GRANDE ABRAÇO
do José Fanha

Escrever é uma festa, uma aventura, um mergulho, uma viagem.

Escrever é uma cana de pesca que lançamos para dentro e para fora de nós. O anzol vai por ali abaixo e na volta vêm emoções, afectos, dores, sonhos, ilusões, utopias.

Quando escrevemos, estamos a abrir novos espaços, galáxias, continentes, oceanos fantásticos que só existem através das palavras.

Quando escrevemos tudo é possível. Podemos inventar o mundo e inventarmo-nos a nós próprios. Podemos chamar alguém que está longe ou já partiu para regressar ao nosso convívio no canto da saudade e da memória.

Por tudo isto, em certas épocas, desatamos a escrever a quem amamos. Às vezes nem temos tempo para parar um pouco a dar espessura e verdade às palavras que enviamos. Ou falha-nos a imaginação no meio da lufa-lufa da vida. Ou tornamo-nos presas do mecanismo mais ou menos perverso que envolve o mecanismo das comemorações. Socorremo-nos então de frases feitas, cartões, e-mais enviados e reenviados.

O Natal é assim. Tornou-se assim? Ou foi sempre assim? Não sei.

Sei que para mim, repito, escrever é uma festa. E com esta festa comemoro a outra, a do Natal. Nascem palavras. Nascem ideias. Nasce e renasce a vida. Uma festa para viver por dentro do coração.

E nesta festa, em volta das palavras, relembro-vos a todos, amigas e amigos queridos, mais antigos ou mais recentes, gente com quem marchei braço a braço para conquistar a liberdade, para sonhar, para partilhar o novelo dos afectos e o fogo das paixões, amigos ao lado de quem mergulho nos mistérios da vida, com quem partilho o deslumbre, a inquietação ou a desobediência.

A todos gostava de juntar num grande abraço e lembrar um poema do David Mourão-Ferreira, dos mais singelos que conheço.

SURDINA DE NATAL PARA OS MEUS NETOS

Ó David Ó Inês
Vamos ver o Menino
inda mais pequenino
que vocês

Vamos vê-lo tapado
sob o céu do futuro
com a sombra de um muro
a seu lado

Vamos vê-lo nós três
novamente a nascer
Vamos ver se vai ser
desta vez

PS. Já agora podem visitar o blog e se assim o entenderem, deixem uma palavrinha.

http://queridasbibliotecas.blogspot.com/

*

do Luís Roxo

Se fosse Natal todos os dias não estaria agora a desejar-te um Bom Natal. Em certo sentido, até poderia considerar que o Natal, enquanto celebração de um nascimento, o é diariamente se não esquecer, e alguns povos da antiguidade acreditavam nisto, que o despertar matinal é, em si, algo semelhante a um renascer. O velho conflito entre a luz e as trevas.

Por outro lado, sendo o Natal praticamente coincidente com o solstício de Inverno, que em poucos dias antecede aquela data canónica, poderiamos ainda, e com fundamento natural, celebrar o regresso da luz aos domínios da escuridão, tal como o faziam os antigos. Uma memória remota!

Mas a moderna civilização contemporânea não pode perder tempo com antiguidades. A ocidente do mundo, o velho mundo ocidental festeja quase tudo o que já esqueceu.

Para (te) relembrar, apesar de (te) relembrar com frequência, aqui deixarei o meu testemunho (quase convencional) e que, habitualmente, deixamos gravado nesta data.

E para não ser desajustado desejo-te “Um Bom Natal e Um Feliz Ano Novo”, sem esquecer que, a partir de hoje, os dias serão cada vez mais luminosos e a temperatura do ar acabará por subir.

Mas quando, nas tímidas e frias manhãs de Janeiro, nos for dado observar no céu o cintilante brilho de Vénus, poderemos redescobrir, na aparição daquele que leva a luz (lux ferre), que nem sempre o que celebramos é uma ficção.

Luís Roxo

*

do Francisco Torres

não são fáceis as palavras para do Natal falar
em nós estão mas não claras
em trambulhão constante do melhor e do pior
do feliz e do infeliz
do roto do pobre do nu do rico
não são fáceis as palavras em tempos de natal
elas estão aí apesar de tudo
em mentes corajosas que teimam
em ver estrelas no horizonte
e querem ser magos reis que se desprendem
e voam de seguida para as seguir
encontrar a estrela o seu rasto
que seja esse o caminho do natal
do nosso ou de quem o quiser

Abraço
Francisco

*

do Manuel Freire

(com a irreverência e o eterno combate contra aqueles que não sabem que o sonho é uma constante da vida...)

Neliz Fatal, Foas Bestas e Épinuir!


Manuel Freire

*

do Miguel Brito (com o seu especial e assumido carinho pelos carochas...)

*

da Edite Gil

O NATAL DA MINHA INFÂNCIA

Na minha infância
O pinheiro de Natal era um pinheiro
Um pinheiro sempre verde
O cheiro…
O cheiro era o de pinheiro manso
Algumas pinhas agarradas aos galhos
Ajudavam a vesti-lo de uma forma humilde mas genuína
A avó pendurava Pais Natal e sombrinhas de chocolate
E uma nota de Santo António para cada neta…
O avô amassava as filhós e acendia a lareira que
num canto da sala crepitava os sons de Natal…
Na minha infância
O Natal era ingenuidade e pureza
O Natal era a família
A paz, a harmonia
A pureza doa afectos
A solidariedade entre as pessoas
Era um menino semi-nu, numa manjedoura…
Na minha infância
O Natal não era consumismo
Nem presentes caros
Nem mesas ricamente adornadas
Fomentando vergonhosas ostentantações…
Na minha infância
O Natal era simplesmente
Amor
Na minha infância
Os presentes eram singelos
Os presentes eram deixados às crianças,
Não eram encomendados por elas,
Mas eram uma nascente de genuína felicidade
Que nos rasgava o rosto
Com um sorriso franco da alma
Na minha infância
Não era obrigatório oferecer presentes
Davam-se de coração, eram verdadeiros
Na minha infância
O Natal tinha um brilho especial

Edite Gil

*

NATAL
do Jorge Castro

o Natal não está porreiro

tal estão as coisas por cá
de Dezembro a dar-a-dar a Janeiro ao deus-dará
(venha um Fevereiro faceiro mais curto para respirar…)

mas o Natal de azevinho
da rabanada e romã
era o princípio de tudo
hoje é o fim
vejam lá!...

começa já em Outubro - sugam-nos osso e tutano
faz-se do Natal Entrudo que se paga todo o ano

fim do ano com acerto que desacerto amanhã
da prestação que é um aperto
do emprego que não há
do medo de vir à rua sem saber quem lá virá
de estar cada mão mais nua do aperto que não dá
de se viver do incerto que por certo morrerá

faz falta o Natal do início
da carícia do sentir
de viver no precipício por saber como voar
dos avós - do aconchego - do cachecolzinho de lã
do ar frio e da braseira
da prenda que alguém nos dá
de sermos livres de rir ou de bem saber chorar
de ouvir cantar os anjos bem cedo pela manhã
com harpas bombos e banjos em charanga que eu sei lá
de bater que sim o pé porque assim mesmo é que é
de não voar sobre as casas porque caíram as asas
mas cantando por ter fé no dia que lá virá
construindo cada dia em cada sítio onde há
uma réstia de alegria

o Natal - ah quem me dera – fosse a arte de ensinar
assim como quem espera ter o prazer de aprender

esse Natal
meu amigo
nunca terá existido…
mas p´rò que der e vier
está à mão de semear para quem o quiser colher
e eu cá o deixo contigo.

*

E porque a cada um lhe dá na telha para o lado que mais lhe apetece, aqui vos deixo uma sugestão para uma exposição de Pais Natal, ali para os lados de Sesimbra, que uma amiga achou por bem fazer em prol dos mais pequenos:

Freguesia do Castelo - Sesimbra

Exposição de Pais Natal de Ana Pérola no Espaço Zambujal

Está patente, desde o dia 15 de Dezembro, e até ao final do ano, uma exposição de Pais Natal, dedicada essencialmente aos mais jovens.

A exposição está aberta de segunda a sábado, entre as 10h00 e as 12h30, e as 14h00 e 18h30.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:58


dezembro 17, 2007

Noites Com Poemas

O PÓ DAS ESTRELAS QUE CAI NA CALÇADA...

Este é o desafio para a próxima sessão de Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, no dia 19 de Dezembro, pelas 22 horas.

Como convidado, contaremos com Pedro Mota, físico e poeta e companheiro de vadiagens pela poesia, que acabou de lançar o seu livro Quatro Ventos, Sete Mares, relato de aventuras andarilhas por destinos espalhados pelas quatro partidas da Terra, aí onde a diversidade humana descobre a sua riqueza na universalidade de um sorriso.



E porque a quadra é natalícia, poderemos prever libações e outros aconchegos, para que a poesia melhor flua, que o encontro é de bardos e é de brados...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:04


dezembro 13, 2007

ah, grande Lisboa!... (9) - esta 'Lisboa' é um tratado!...

27 canetas de prata produzirão 54 assinaturas nos dois livros do acto formal de assinatura do assim chamado Tratado de Lisboa.

Nós, por cá, lá vamos indo, penando penas que nos vêm dos egrégios avós... Vencimentos a perder de vista relativamente aos demais parceiros europeus, uma carga fiscal digna de figurar no Guiness, paz-pão-saúde-habitação com relações de custo-qualidade miseráveis, educação e saúde em carreira aceleradamente descendente, em busca da privatização do nosso descontentamento, pela mão de hipócritas personagens que supostamente elegemos...

Somos grandes no desemprego, no custo de bens e serviços, no sol e na seca. Acabam-nos com o medronho, com os copos de vidro, com as castanhas, tudo transformado no fumo que, poética mas desgraçadamente, sai do assador das ditas, evolando-se no etéreo azul, sem que alguém estrebuche, nem sequer em estertor moribundo.

Lê-se pouco e mal, com o parco dinheiro sobrante diluído em estádios de futebol espantosamente cheios por quem já nada parece querer da vida para além de uns chutos.

Os 'choques tecnológicos', anunciados com pompa e circunstância idiotas, tropeçam logo depois em ineficiências gritantes e esperadas, por desajuste de estruturas e deficiência de meios humanos e outros.

As leis, regulamentos e demais normas vão sendo passajados e cerzidos ao sabor de conveniências pontuais e tantas vezes dirigidas, que agravam injustiças e tratamentos dúplices.

As inúmeras áreas de efectiva excelência em que - contra ventos e marés - continuamos a ser pródigos, ficam a dever-se, as mais das vezes, a iniciativas pessoais para as quais o Estado olha (e se serve) apenas quando o sucesso já foi atingido a duras penas. Até lá, ele prima pela ausência distraída.

Relativamente à tal 'Europa' convergimos, afinal, para o quê? Para além deste cadinho de experiências toscamente maquiavélicas para onde nos vamos vendo empurrados?

C'um camandro! Este cepticismo anda a dar-me cabo do fígado. Deve ser da quadra que atravessamos, que me puxa sempre, atavicamente, de forma exacerbada e porventura algo anacrónica, para o espírito solidário, ainda mais agudo nesta altura do ano.

Esperemos, pelo menos, que as tais canetas sejam em filigrana, como manifestação de individualidade cultural. Mas não me acredito que Sócrates tenha pensado nisso...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:18


dezembro 09, 2007

fotografando o dia (97)

a lua verte os tons de prata
sobre a cidade que sobrevive
e o verso doura a cor da estátua
onde o poeta p’ra sempre vive

de noite a lua em volte-face
deixa que faça outra viagem
de prata a rua dourando a face
p’ra sempre nua numa mensagem

- foto e poema de Jorge Castro
- Fernando Pessoa - Escultura de Lagoa Henriques - Chiado - Lisboa
*
Sugestões a não perder:

dia 12, 19 horas - Lagar de Azeite, em Oeiras
O CRAMOL
lança o cd "Vozes de Nós"
com o apoio
da Biblioteca Operária Oeirense, o IELT e Ocarina

*
dia 12, 21 horas - FNAC Chiado (Lisboa)
Pedro Mota
apresenta o seu álbum de viagens (fotos e texto)
"Quatro Ventos, Sete Mares"

*
dia 13 de Dezembro, pelas 18 horas,
DUO VIENALIS
no Palácio Foz (Lisboa)

Duo de Piano e Violino
Piano: Ana Cosme
Violino: Luis Morais
Obras de: V. Beethoven, S. Prokofieff, E. W. Korngol e E Grieg
- Entrada Livre -

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:40


dezembro 04, 2007

publicidade descarada e assumida, de minha inteira responsabilidade

A quem interessar possa:

As
empolgantes, inovadoras, alternativas, encantatórias,
provocadoras, originais, desafiantes, arrojadas,
aventureiras, ligeiríssimas, densíssimas, sonhadoras,
únicas, politicamente incorrectas
e
irremediavelmente utópicas
259
edições de cordel, da

Editora APENAS LIVROS

encontram-se, a partir de hoje, também à venda na

LIVRARIA BUCHOLZ

- Avenida Duque de Palmela, 4, em Lisboa
- ver localização em
http://www.directorio.iol.pt/livraria_buchholz_lda-248258.htm

Promova-se alternativamente. Faça a diferença agindo de forma diferente. Conheça o mundo para além das grandes (?) superfícies. Perceba que a Humanidade é feita de coisas grandiosamente pequenas.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:51


dezembro 03, 2007

os cães ladram... e Saramago passa

Já li muito Saramago. Não sou um incondicional fanático. Melhor é dizer que o leio com um interesse bem acima da minha média. Isto, para Saramago, serão amendoins, como dizem os americanos. Pouco se lhe dá a ele que eu o leia mais ou menos ou assim-assim...

Mas Saramago escreve. Muito. E há muito boa gente que gosta muito. Muita há que gosta assim-assim, com diversas gradações. E outros haverá que não podem nem vê-lo. Tenho para mim que a imensa maioria da população portuguesa não faz a mínima ideia.

Saramago foi para Lanzarote (Espanha). Vive com uma espanhola - e olé! Colecciona asneiras que o poder político português lhe atira, quais tomates estragados... - que, aliás, parece ser o que mais por aí abunda!

Saramago inaugura uma exposição em Lanzarote. O ministro da Cultura espanhol está presente. O português nem por isso. Diz que não o avisaram, lá da embaixada...

Eu penso que é mais pelas bocas que Saramago tem atirado acerca do iberismo. Ou então por ser 'comuna'. Porque se a ausência de representação portuguesa, para além de um embaixador pouco à vontade, é por ressabiamento ou por distracção na agenda, por favor atirem-me este governo ao mar!

(Repararam que eu coloquei tanta pontuação? Foi mesmo de propósito! É raivinha!...)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:10


dezembro 01, 2007

Ao Porto - sugestões... e à Júlia Coutinho

Do meu amigo, excelente poeta e companheiro de múltiplos caminhos nas veredas e avenidas da poesia, que vai ao Porto, aqui deixo dois convites:

O Clube Fenianos Portuenses e o autor Jorge Casimiro têm o prazer de convidar V.Exa. e sua Exma. Família para a sessão de apresentação, a cargo do Dr. Júlio Couto, do livro "murmúrios ventos” e do CD "ternasalquimias", com o momento musical da voz e guitarra de Carlos Andrade.

O evento decorrerá dia 1 de Dezembro, sábado, às 16 horas, na Rua Clube Fenianos, n.º 29, Porto.


Dia 5 de Dezembro, quarta feira, pelas 21,30, no Clube Literário do Porto, Rua Nova da Alfândega, 22, terá lugar a apresentação do Livro "murmúrios ventos" e CD "ternas alquimias", do autor Jorge Casimiro.

A apresentação a cargo do Prof. Dr. Anthero Monteiro, com acompanhamento musical do Maestro Francisco Tavares e Carlos Andrade. Declamador Luís Carvalho.


*

Hoje, dia da Independência, a nossa amiga Júlia Coutinho rodeia-se de amigos para comemorar o 60º aniversário, ali pela Associação 25 de Abril, em Lisboa.

Pessoa de convicções, de causas e de combates, parceira de blogs e outras aventuras, lá estarei nesse almoço de amizades. Lá lhe direi o poema que aqui lhe deixo:

à Júlia Coutinho, nos sessenta aniversários


se esta Júlia se senta
é algo de calendário
que muito pelo contrário
sei dela que se levanta

nem será mais do que pausa
no alento solidário
ter um dia no diário
sem abraçar uma causa

será pois causa de afectos
este feito extraordinário
de juntar em relicário
avós pais filhos e netos

tal operário em construção
que diz não ao salafrário
não faz de lutas sacrário
mas vertical condição

alma nobre ímpeto ardente
cumpre então aniversário
no dia um sem fadário
de Dezembro independente

no torpor de mau caminho
ou do viver ordinário
brindemos ao modo vário
da nossa Júlia Coutinho.

- poema de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:01


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas