<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
janeiro 31, 2007

melhor é possível - 31 de Janeiro, na Culturgest

... pelas 21 horas, um espectáculo promovido pelo Lions's Club, a favor do Hospital D. Estefânia. Vejam o programa abaixo e, se puderem, apareçam. Eu também lá estarei...




Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:28


janeiro 27, 2007

obras recomendadas pelo governo para os jardins de infância...

Vale a pena ler, meditar, confirmar e divulgar.Valha-nos a indignação, que nos inspire a contrariar este estado de coisas.


Acabei de receber a mensagem abaixo, que transcrevo na íntegra, agradecendo à autora a informação. Fui confirmá-la, claro. E - claro, também - não posso deixar de subscrever o texto de Teresa Muge:


"Meus amigos:

Isto do (não) falar em Português, pelos vistos, não tem a ver só com a Música. Quem estiver interessado, vá ao endereço
Plano Nacional de Leitura e logo verá como as coisas são.

Só para abrir o apetite: da lista de cerca de 60 livros recomendados para o Jardim de Infância - alguém tem dúvidas que é ali que a educação formal começa? - apenas dois (2 - disse bem) são de autores portugueses (Elvira Ferreira - uma ilustre desconhecida e António Torrado - um bem conhecido e emérito produtor de literatura para a Infância.


Ou seja: desta lista, subscrita pelo Ministério da Educação, Ministério da Cultura e Presidência do Conselho de Ministros, foram afastados autores portugueses cuja qualidade pedagógica e literária é sobejamente conhecida (Alice Vieira, José Jorge Letria, José Leite de Vasconcelos, Luísa Dacosta, Manuel António Pina, Maria Alberta Menéres, Matilde Rosa Araújo, Sophia de Mello Breyner Andresen, Teófilo Braga, Luísa Ducla Soares... entre outros). Isto para já não falar da grande ausência das Histórias, Contos e Lendas Tradicionais, das Lengas-lengas, da Poesia...


Não sei quem fez esta lista. Não sei quais têm sido as reacções dos Educadores - as minhas tentativas de registo num dos Foruns foram todas frustradas - dos autores e de outros interessados, mas isto, para mim, é uma daquelas coisas que, em bom Português, se pode chamar de POUCA VERGONHA a que se acrescenta, como no Rei Leão MAS COM PODER!!!


Poderia dizer que já nada me espanta, mas não é verdade. Isso poderia querer dizer que "então não há nada a fazer" e isso eu não quero. O que realmente pretendo é continuar a manter a quota parte de ingenuidade que permite ter aquele tipo de esperança activa em dias melhores que me leva a escrever e a divulgar este protesto.

Um abraço a todos

Teresa Muge
"
*

Para contrariar a eventual sensação de vómito causada pela situação acima denunciada, permitam-me partilhar convosco uma pequena vaidade, a que o seu autor chamou karaoke tipográfico e que, recomendando-se a todos, tem especial destaque para os amantes da Björk.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:33


janeiro 25, 2007

fotografando o dia (59)


quando entro mar adentro
e me sustento
o mar alto mal repara
mal me sente

ai de mim
que de sôfrego desejo
ter do mar por fim
o sal só do seu beijo

- foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:12


janeiro 22, 2007

assim, sim!...

Gosto tanto de ouvir as razões de cada um como de sustentar as minhas. De cada um se sabe um universo diferente. A cada um a responsabilidade de o assumir e de o defender com a firmeza das ideias, nunca descurando que o universo do "outro" pode ser tão rico como o seu.


Depois, o confronto tem os limites que o estadio civilizacional determine.


Mas não abdiquemos jamais do nosso direito à opinião!


Assim, sim


diz que sim
ou diz que não
mas não te fiques assim
em pelo-sim-pelo-não
não quedes no assim-assim
que - sabes bem - não é bom

tu sabes de sim ou não
sabes do não e do sim
e se não sabes
enfim
tem cuidado
meu irmão
pois andar fora de mão
não te leva a melhor fim

se pensas não – dizes não
se pensas sim – dizes sim
mesmo se ao não dizes sim
ou então o sim ao não
ficamos melhor assim
e acaba-se a confusão

de mim sabes porque sim
e eu de ti porque não.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:59


janeiro 20, 2007

Exortação... e convite

Recebi hoje a grata notícia de que a Livraria Ler Devagar, no Bairro Alto, em Lisboa, reabriu portas e relançou a sua intensa actividade cultural. Está agora, no número 145 da Rua da Rosa.

No próximo dia 24 de Janeiro, pelas 22 horas, lá se reiniciarão também as sessões de Poesia Vadia, dando seguimento a uma saudável vadiagem que conta já com cerca de cinco anos de militâncias e vagabundagens.

Como é evidente, estão todos convidados. Tragam poemas e um sorriso.

Como estas coisas tendem a induzir-me desvarios épicos, aqui fica uma exortação, em homenagem àqueles que não deixam cair os braços - como os companheiros que souberam alimentar, manter e fazer renascer este projecto:

certo dia – era Abril – fez-se um caminho
que transpôs os portões da madrugada
e um povo renasceu – fez dele o ninho
e partiu desbravando a alvorada

do negrume da desvida se afastou
no sabor de a viver por tudo-ou-nada
estandarte de uma vida que abraçou
descobrindo numa flor gume de espada

esse povo somos nós e de almas nuas
cá nos fica um querer que não desiste
bem maior que mil sóis ou que mil luas

nós seremos o povo que assim resiste
nesse grito correndo à solta nas ruas
procurando a canção que em nós existe.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:54


janeiro 16, 2007

Janeiro, janeiras... e o referendo


cartaz de Alexandre Castro

Amanhã é dia de cantar as Janeiras na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, em mais uma sessão de Noites Com Poemas, lá pelas 22 horas. A alguns dos que por aqui passam e de que sei a vizinhança na geografia e na poesia convido a aparecerem. Por lá se dizem os poemas que nos confortam ou inquietam... E amanhã cantar-se-á. Até amanhã, pois.

Outra coisa:
Discute-se o quê para ser brevemente referendado? Quais são os caminhos de "modernidade" trilhados, neste recanto marítimo e ameno, que nos acuam a referendar actos de (boa ou má) consciência do nosso semelhante?

Por que estranhas razões, no dealbar do século XXI, o bicho-homem se mantém tão inseguro de si próprio e, em simultâneo - porventura por isso mesmo - sente tanta necessidade de controlar a consciência alheia, como se tal fosse desejável ou viável, sequer?

Mas se não for por mais nada para além do combate a essa tentativa canhestra, de prepotência frustrada, eivada de tiques totalitários, daqueles que não desistem de ser mentores de consciências alheias e que defendem o NÃO, eu voto no SIM.

Sim, porque o NÃO não deixa liberdade de escolha alguma a quem tenha falta de meios. Não é qualquer "tia" (ou "tio") mais ou menos beata, mais ou menos remediada, mais ou menos instruída, mais ou menos culta, que consegue vestir a pele de quem atravessou uma vida de carências e tem pela frente outra vida de carências a oferecer aos seus filhos.

Num país em que, curiosamente e apesar de atávicos atrasos, o bom senso popular encara com dramático fatalismo o "desmancho", mas sem lançar anátemas sociais, ou hipócritas pruridos éticos àquelas que a ele desgraçadamente se sintam compelidas a recorrer, a seita inflamada das bentas almas parece querer atiçar velhas e relhas fogueiras de inquisição... São patéticas, hipócritas e sinistras estas almas.

Não é um caso da sua consciência. Se a consciência (e algum desafogo) delas as impede de tal acto, muito bem, nada a dizer. É a opção delas, seja qual for a lei. E ninguém as contrariará.

Não será esse o caso das outras. Daquelas outras cuja consciência lhes dita o recurso à interrupção de uma gravidez indesejada. Também aqui há o primado da consciência individual - que, convém não esquecer, começa e acaba na mulher. A essas, os apoiantes do NÃO querem coarctar o direito de escolha, como presumíveis detentores de uma verdade que, afinal, é apenas a deles e só a eles serve.

E quando alguém se arvora em guardião da consciência alheia, esse mata o livre arbítrio. Toda a restante argumentação não passa de meras questões técnicas - de medicina ou de direito - mas seguramente de saúde pública, pois é de saúde pública que se trata quando nos propomos criar condições de acesso a cuidados de saúde a quem não tem acesso a eles. De resto, não me parece que esteja mais alguma coisa em discussão, para além disto.

Efectivamente, também por aqui passa a Liberdade. Eu votarei no SIM.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:48


janeiro 13, 2007

fotografando o dia (58)

diálogo de fogo

duas línguas

labaredas

duas ilhas

contra as trevas

duas trovas

duas vozes

efémeras

vagas

velozes

quentes

mordentes

fugazes

duas vozes

contra as trevas.

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:51


janeiro 09, 2007

ainda as janeiras... e Obikwelu

Já as cantei, em pequenote, por terras transmontanas, na mira de gulodices raras ao tempo e pelo gozo de combater o frio da geada, entoando, em alta grita, cantorias em louvor dos vizinhos. Hoje, dizem-mas oriundas das Saturnais romanas, ou evocatórias do deus Jano, o porteiro do céu, deus dos começos, dos inícios e das entradas, sendo invocado para afastar espíritos funestos no início de cada ano… Em calhando, ainda vêm mais de trás, de festejos pagãos do solstício, para bons augúrios do novo ano, com boas colheitas e poucas ou nenhumas contrariedades.

Não vá o diabo tecê-las e porque nunca cheguei a crescer muito, cá vos deixo o meu canto, para esconjurar os maus espíritos que por aí nos assolam…

Mote
‘inda agora aqui cheguei
pus o pé nesta escada
logo o meu coração disse
que aqui mora gente honrada


Glosa
‘inda agora aqui cheguei
fora da hora aprazada
era de noite e julguei
ser melhor p’rà caminhada

fugi do frio da noite
pus o pé nesta escada
que não há já quem se afoite
no negrume da geada

nem foi coisa que se visse
ou de monta a empreitada
logo o meu coração disse
que o passo se faz estrada

bati à porta e entrei
vida e alma iniciada
quero crer no que não sei
que aqui mora gente honrada

que aqui mora gente honrada
a vida mo há-de mostrar
que não se toma por dada
a verdade por achar

porque me fiz ao caminho
logo o meu coração disse
faz-se de penas o ninho
ao mais alto que subisse

a subir foi a jornada
de trabalhos feito o dia
pus o pé nesta escada
nos degraus da invernia

mas tudo valeu a pena
por viver o que sonhei
não tive a alma pequena
‘inda agora aqui cheguei.


(Desenvolvimento em quadras sobre mote popular)
- Jorge Castro

Última hora: Francis Obikwelu foi eleito, pela Associação Europeia de Atletismo, o melhor atleta europeu do ano.

Com todo o aplauso e reconhecimento pelo mérito do atleta e do ser humano que é Francis Obikwelu, porque é que não consigo evitar uma homérica gargalhada perante esta hipocrisia institucional? Ao menos, afro-europeu. Ou não?...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:18


janeiro 05, 2007

hoje, nem foto, nem poema... mas é pena!

Hoje é um daqueles dias em que não se me dá para a Poesia.

Ouvi um ministro a entoar loas aos campos de golfe, espalhados pelo país até raiar o absurdo, como forma de captação dos dinheiros de milionários nórdicos (?!) que, aparentemente, gramam à brava a nossa grama, segundo sapientíssimas e avisadas palavras do dito ministro, cujo atesta o que me parece ser uma visão algo ruminante do futuro lusitano. Posso até imaginar o Portugal do futuro, entalado numa faixa a 500 metros do mar, com os portugas todos já licenciados, enquanto os ricaços nórdicos percorrem o interior, deserto e verde-erva, de lés-a-lés, a tacadas do Minho ao Algarve. Em fundo e ao longe, uma vaquinha por mungir, muge.

Ouvi um outro ministro, de discurso enviesado e – desculpem, mas é o que me soa ao ouvido - labrego, clamar que as mulheres, futuras presuntivas abortivas, se quiserem o anonimato na trágica decisão a que forem compelidas, terão de recorrer a instituições privadas e pagando, assassinando o senhor ministro com tal dislate e de uma assentada os mais elementares conceitos deontológicos e éticos que norteiam os serviços de saúde, ao mesmo tempo que assalta à mão armada o próprio Serviço Nacional de Saúde de que é suposto, vejam lá, ser o presuntivo defensor. Então quando alguém se dirige aos serviços do SNS, o que tem de mais certo é ver o seu nome, no dia seguinte, nas primeiras páginas dos jornais, anunciando ao que foi? "Sua Excelência, Fulano, dirigiu-se ontem ao Centro de Saúde de Sete Rios, onde lhe foi extraído um furúnculo da nádega esquerda. Hoje, já tomou assento no hemiciclo, etc., etc.".

Eu começo a convencer-me é de que o problema do alcoolismo terá, porventura, uma incidência muito mais gravosa e extensa do que aquela que as estatísticas nos mostram… Com a agravante de que a etilização destas mentes tem o efeito pernicioso de as levar a considerar todos os demais concidadãos como mentecaptos de primeira apanha e irredutível postura.

E, no fundo, toda esta estupidez galopa por causa do malfadado défice, que não há forma de sair das nossas vidas. Défice criado, sustentado e amadurecido pelos sucessivos governos que nos vão saindo das tômbolas partidárias, esses insignes e incontornáveis sustentáculos da democracia.

Outro recorrente e lancinante lamento é o dos licenciados que não arranjam emprego. Pois como haveriam de o arranjar, se tudo quanto é gestor da corda e/ou empresário da treta tem como paradigma laboral o paraíso do mercado de trabalho chinês?

E é um país carenciado de quase tudo que se dá ao luxo de trazer como lastro inútil (ou será reserva estratégica para conduzir carrinhos dos campos de golfe?) cerca de 50.000 licenciados, inscritos em centros de emprego.

Quem emprega (com contrato, entenda-se) um licenciado, com mestrados e pós-graduações e tudo, se ele não for, pelo menos, primo do tio do cunhado de um gestor já instalado, ou ainda, pelo-menos-pelo-menos, afilhado da amásia do genro de um construtor civil, correlegionário de partido e de direcção futebolística?

Nã! Licenciados só a recibo verde! E, depois, queixam-se de que não há dinheiro na Segurança Social, ou de que a população activa não suporta os encargos dos velhadas… Pudera. O “recibo verde”, já de si, tende a descontar o mínimo – o que faz parte da “natureza humana”, tão apoiada pela proverbial falta de controlo fiscal, que é consabida; os sub-sub-sub-contratados, por sua parte, tanta vez nem recebem o que lhes é devido, quanto mais descontarem para o fisco!

Por outro lado, quantas das mordomias auto-atribuídas que por aí pululam nos “gestores de topo” e seus apaniguados, por força de um distorcido conceito de “dignidade da função”, a que os sucessivos governos dão anuência cúmplice e prudente (hoje eles, amanhã nós...), estão “isentas” de incidência tributária? Os carros, os combustíveis, as reparações e manutenções, os seguros, os telemóveis, os cartões de crédito, os incontáveis e intermináveis et coetera que vão sendo conhecidos ou desvendados aqui e ali…

Não se trata de inveja, não. Puro engano. Estou só numa tentativa mal ajambrada de desvairar pensamentos, para análise superficialíssima da coisa pública, invocando quiçá estas discorrências como álibi para o desgoverno e demissão de cidadania de que o bom povo português enferma, naquela lógica abatatada de que “os bons exemplos vêm de cima”. De onde logo decorre o “se não os vences, junta-te a eles”...

Por estas e por outras é que, hoje, sem Poesia a tiracolo, desejo a todos um muito grande, mas grandessíssimo mesmo, 2007.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:46


janeiro 01, 2007

no terceiro aniversário do Sete Mares

aos meus visitantes, amigos, curiosos ou meros caminhantes, a quem meu tempo dou nesta viagem


três vezes cumpri eu mais de trezentos
meus dias nesta inconstante viagem
na busca de um conforto ou leve aragem
que assim me traga à alma outros alentos

três vezes por rotinas, sacramentos
ou tantas coisas mais de vadiagem
três vezes mil cuidados na voragem
do tempo que se não guarda em lamentos

três mil vezes gritei e tantas mais
cuidei de vós colher uma resposta
a dar sentido à vida que animais

três vezes se cumpriu assim a aposta
de estar aqui só porque também estais
três vezes sete mares deram à costa.

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:37


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas