<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
dezembro 31, 2006

fotografando o dia (57)


tanto mar
filho
e tanta a vontade de voar!

vês ao longe o barco?
quantos sonhos que nos traz
com as ondas do futuro

mas ele há-de aportar
se houver porto seguro
e vontade de voar.

- foto e poema de Jorge Castro

Tem de haver mais mar para além do oceano de barbárie que assola e avassala o ser humano.

Foi executado um ditador, um torcionário, uma besta humana - humana, sim, como nós... E daí? De onde me vem este desconforto de sentir que de nada me serve mais uma - esta - morte?

Tal como todo esse tanto sangue derramado em cada dia no longínquo Iraque, feito tão perto.

E a vida vai decorrendo neste teatro imenso de marionetas e fantoches, em que falamos com a voz alheia e cada gesto nosso nos é imposto. Como um riso de lágrimas pintado na face.

E, no entanto, vejam lá a extensão do mar!... Tem de haver mais mar!

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:03


dezembro 28, 2006

de Eduardo Lourenço, para o novo ano que já vem

Pensava, com os meus fechos ecléres (será assim que se escreve? É que dei por mim sem botões...), sobre as grandes palavras que haveria de por aqui deixar, a modos que celebração do solstício, que tanto andamos todos precisados de renovação e novos ventos, quando tropecei, por assim dizer, no prefácio do livro "Eduardo Lourenço - Os Poemas Da Minha Vida" integrado na colecção que tem vindo a ser lançada pelo jornal Público, prefácio esse assinado pelo próprio Eduardo Lourenço.

E descobri aquilo que procurava. Que excelente é assim ter artes de juntar palavras. Vejam:

"(...) Em si mesma, para cada um de nós, no momento em que nos toca, como se fosse o dedo de Deus, a Poesia esconde-nos da morte. É o único céu portátil de que estamos certos. Um céu de palavras, que de século em século se comunicam a queimadura celeste que a vida deixou nos nossos vulneráveis corações.

(...) Mas pensando bem, talvez nada me tenha deixado mais perplexo, abrindo-me a porta do sonho, que uma mera frase destinada a ilustrar o uso do 'Z' no meu primeiro livro de escola: 'O filho do Zeferino foi a casa dos filhos da mãe do Zebedeu'. Nessa hora fora da vida toda a poesia do mundo estava inteira neste enigma prosaico. E ainda hoje lá permanece." (Eduardo Lourenço).

Nada a fazer. Quem assim fala - e que privilégio o ouvir-se!... - lega-nos uma vida de saber e sabor da vida.

Que 2007 seja, para cada um de vós, um ano pleno de felizes realizações.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:05


dezembro 27, 2006

fotografando o dia (56)



muito cuidado com o fogo!
que o fogo afaga a folha
e a folha que nele se enrola
já se evola
se enovela

num ápice ardeu a folha
mas que bela
qual estrela
fez-se uma chama amarela
e agora o céu é dela!

- foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:04


dezembro 23, 2006

Natal 2006

a todos os amigos e visitantes...


não te digo do natal coisa nenhuma
do natal enfeitado a sumaúma
que se arruma em cada ano nalgum canto

não te digo do natal em mar de espuma
esse efémero natal-coisa-nenhuma
quebradiço a ter-de-ser e sem encanto

não te digo do natal de coitadinhos
nem daquele de nós todos tão sozinhos
conformados sem ter sonhos nem espanto

não te digo do natal feito de prendas
num afecto leva-e-traz que me encomendas
e trocamos cada ano em qualquer canto


mas te digo um natal fio de seda
do casulo entretecido que te enreda
e te leva ao riso ao sonho em doce encanto

digo ainda do natal feito de enlaces
desfiando o casulo onde renasces
enlaçando cada ser por valer tanto

digo então um natal que desse fio
deslassado mundo fora como um rio
nos envolva a todos nós num acalanto

mais te digo do natal de um outro início
celebrando a nova esperança o solstício
recriado em nossa voz num novo canto.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:32


dezembro 19, 2006

feliz Natália


- Parque dos Poetas - Oeiras
Natália Correia, escultura de Francisco Simões

Natália nasce em flor na ilha verde
que no imenso mar azul se fez em lume
Circe à vez desvairo que se aprume
no feitiço que de enfeitiçar se perde

brinda às tíbias Parcas luzes onde arde
indómita indomável contra a bruma
a fêmea já sereia em mar de espuma
estrondeia a falésia em bravo alarde

ao truão bruto e vil tal como um sismo
não lhe cala o desdém nem dá abrigo
ironias não tolhendo nem sarcasmo

bela e fera e brusca ao peito o perigo
mátria amante e mar e doce abismo
não lhe bastou ser pão - quis ser o trigo.

- foto e poema de Jorge Castro

A propósito, na próxima sessão de Noites com Poemas, na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana, no dia 20 de Dezembro, pelas 22h30, o tema será, exactamente, Feliz Natália. Apareçam...

- cartaz de Alexandre Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:05


dezembro 14, 2006

fotografando o dia (55)


os portões de dureza mais agreste
deixam sombras quando o sol lhes beija a fronte
afagando a rudeza que os veste
e faz deles quase bilros
quase fonte

e a luz que neles entoa assim os abre
tal e qual em partitura fosse clave

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:39


dezembro 10, 2006

fotografando o dia (54)




o reduto

ó povo de insignes marinheiros
onde canta a tua voz ao rés das águas?
porque fazes só de mágoas tua voz?
porque penas entre mãos de vis sendeiros?
ergue o canto bailadeiro e atrevido
traz ao mar outro fremir bem ponteado
lança ao ar o grito agreste
'inda ferido
que se aperta no teu peito
atormentado

mas não cales a tua voz em vã derrota
que a rota tu a fazes
não o fado.

- foto e poema de Jorge Castro


e o resíduo

A editora D. Quixote promoveu esse aborto de texto que colhe por aí delírios de multidões alarves, entre esquemas de alterne e pontapés na bola (e na civilização). Estamos num mau caminho.

A não ser que se pretenda deliberadamente avacalhar ainda mais a multidão que bovinamente se embevece a ruminar estercos, mas que - curiosamente - dispõe de dinheiros fartos para ir à bola e para adquirir estas excrescências, não se entende tal publicação pelas mãos de tal editora...

Também aqui se dirá que as acções ficam com quem as pratica. Mas não... As acções, ainda que volúveis, fétidas e desgraçadas - como esta - espalham e sedimentam a sua baba malsã por quem já perdeu o norte da vida. E a nada ajudam.

Parece estranho como um pútrido (e prostituidamente óbvio) sucesso de vendas pode desvanecer uma editora supostamente criteriosa.

Vai levar tempo a redimir-me com a D. Quixote.

(Notas de estranheza - E foi preciso este excremento para que os apitos justiceiros se voltassem a ouvir? E porque é que a senhora - criminosa confessa - não foi presa de imediato? E eu também posso ser mandante de uma carga de porrada sobre alguém que me desagrade ou perturbe e notificar os órgãos da "comunicação" sem que nada me aconteça?)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:09


dezembro 04, 2006

convite - escrever é um lugar tão perto


Certo dia, alguém me propôs a participação num projecto de dinamização de uma pequena “comunidade” habitacional, encravada entre Oeiras e Carcavelos, no Alto dos Lombos, mais precisamente…

Formada a equipa, estudou-se o projecto. Decidiu-se que se proporia à dita comunidade que levasse até ao Café Grilo – sito no local, bem entendido, e sede social estratégica da aventura – um poema ou um conto, surpreendendo os promotores do desafio. Depois, logo se veria…

Dois meses após, fazendo explodir as melhores perspectivas, estavam recebidos sessenta e muitos trabalhos, envolvendo cerca de quarenta autores.

Brilhantes anónimos todos (ou quase) no que às lides literárias respeita. Idades? Pois, dos 9 aos 70. Estreantes, na sua grande maioria.

E surpresa, com surpresa se retribuiu. Com o interesse empenhado que a Editora Apenas Livros sempre tem demonstrado por estes devaneios, acabam de ser publicados dois volumes da Colecção Literatralha Nobelizável, com o acervo recolhido pelos promotores do projecto:

- ESCREVER É UM LUGAR TÃO PERTO – Volume I – Poemas no Café Grilo

- ESCREVER É UM LUGAR TÃO PERTO – Volume II – Contos e Memórias no Café Grilo

O seu lançamento oficial será já no próximo dia 09 de Dezembro, pelas 16 horas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em SÃO DOMINGOS DE RANA.

Estão, pois, todos convidados. Ler é um lugar tão perto como escrever. Apareçam.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:27


dezembro 01, 2006

Eduardo Simões - homenagem e exposição



 Conheci um eminente Matemático que me deu o prazer de cruzar comigo caminhos de Poesia, de seu nome Eduardo Simões. Homem sempre afável, interessado, conhecedor...

Aqui há poucos meses atrás, resolveu deixar-nos entretidos cá por este mundo e rumou a outro. Entretanto, teve, ainda, tempo de nos deixar uma (mais uma!) exposição sobre a "sua" Matemática, para a qual recomendo vivamente a vossa visita.


Deste excelente Professor se sabe, na nota divulgada na exposição, que "desenvolveu permanentemente trabalho no domínio da dinamização e divulgação da Matemática, através de uma constante pesquisa e da construção de materiais lúdico-didáticos, aspecto em que foi percursor, fabricando e adaptando os mais variados objectos para fazer entender e tornar mais simplificadas as matérias".

Podem, pois, ir conhecê-lo na Formiga, ali à Rua de Arroios, 133 (telef. 21 315 80 85), em Lisboa, onde se encontra a exposição. Pelo caminho - e melhor ainda se tiverem convosco gente pequena - aproveitem para ver a panóplia de jogos e brinquedos didáticos em que aquele estabelecimento é especializado e que tanto têm a ver com o espírito do Eduardo.



Etimologicamente, Escola é um lugar de recreio, um espaço lúdico, onde a aprendizagem se faz pelo amor às coisas e ao saber que o lidar com elas nos traz.

Esse era o caminho do Eduardo Simões.

"Poeta e humanista também no seu dia a dia, as suas relações sociais pautaram-se pela honestidade, pela solidariedade e pelo idealismo."

Um daqueles homens que nos constroem, que são a alma mesma daquilo a que chamamos cultura... O Eduardo Simões, o seu tímido sorriso e as suas guitarradas cheias de graça, andarão sempre por aí, a fazer contas à vida, pregando uma partida aos amigos e sendo a boa memória dos seus alunos.




Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:18


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas