<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
outubro 30, 2005

Acção de graças

A todos e cada um dos visitantes, com especial destaque para os companheiros do Blognócio do Outono, um abraço do tamanho do mundo!

Mil e uma actividades têm-me deixado pouco tempo para mergulhar nestes mares e retribuir condignamente as visitas cordiais e, tantas vezes, motivadoras.

Há, nos blogs - ou esse é o meu entendimento - também uma ética, simples e elementar, mas eficaz que consiste em pagar visita com visita, não pela mera formalidade, mas pela curiosidade, pela procura do "outro", pelo gozo que dá a descoberta de outros mundos.

Talvez a esta curiosidade e vontade de descoberta, como forma de combater um profundo e quase institucional isolamento a que vamos sendo condicionados, se deva o sucesso, em Portugal, desse "fenómeno" dos blogs.

A verdade é que, pelas minhas mais recentes contas, mais de 95% do meu círculo de relações nesta comunidade provem de pessoas de quem, há um ano, eu nem suspeitava da existência. Se isto não é uma maravilha, não sei o que será uma maravilha!...

Por aqui se escreve do melhor que tenho lido. Por aqui se opina com uma liberdade e riqueza na diversidade que não encontro em qualquer outro meio de comunicação...

Permitam-me a imodéstia: estou feliz por existirmos!

Lamentando que o meu tempo não se desmultiplique por todos quantos eu gostaria de visitar, "lavrando" o meu comentário solidário, de acordo ou desacordo, mas sempre solidário, aqui deixo o tal abraço e a certeza de que, mais tarde ou mais cedo, passarei pelas vossas "casas", de portas que eu sei sempre abertas de par em par.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:34


outubro 28, 2005

Ainda a Bocage

no rasgo ardente e amargo do improviso
sobre algum triste pulha ou frade hirsuto
lança mal maior que peste ou escorbuto
com o gozo mais sublime que é o riso

não se lhe dando de ser pasmo ou indeciso
enfrenta a vida a peito e olhar enxuto
e rirá da morte até trajando o luto
sobrando em arte o que lhe falta em siso

com os magros costados na cadeia
dá assim um Bocage miserando
que não curva a cerviz por panaceia

pois não cuida de si em se cuidando
de mudar o mundo vil que o rodeia
sempre em dobro a penar do que vai dando.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:55


outubro 20, 2005

Contra a Corrente - poemas que eu digo

81 poemas, de 2000 a 2003, através de 150 páginas,
prefaciados por José Fanha e com a capa criada por Alexandre Castro,


esta é a proposta que hoje vos faço.


A sua apresentação terá lugar no dia 19 de Novembro de 2005 (sábado),


pelas 17 horas e 30 minutos,


na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana.


Pretende-se um encontro de encontros, onde os afectos fluam,


porque de pessoas se fala.


Por opção assumida, este meu livro não se encontrará à venda nos circuitos comerciais instituídos.


Do autor para o leitor pretende-se outra relação de proximidade.


Para além do facto de considerar as margens de comercialização das distribuidoras perfeitamente indecorosas, se comparadas com o labor do processo criativo.


Não conto, pois, alcançar o céu por essa via.


Mas gostaria de contar, naquele encontro, com a presença de todos aqueles


que acreditam sermos nós o pó das estrelas.

Remeterei à cobrança, pelo valor de € 13 (treze euros) a unidade,

o meu Contra a Corrente, a quem mo solicitar, através do email

jorcas@netcabo.pt

com a indicação de nome e endereço completo.


No momento em que recebo a 30.000ª visita
aos Sete Mares,
quero deixar expresso o meu reconhecimento
a todos aqueles que, por palavras e por actos,
me têm manifestado
o seu apoio solidário nesta aventura.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:53


outubro 15, 2005

a Bocage

Para quem possa e a quem interesse, notícia de encontro de poesia:



dia 19 de Outubro, pelas 22 horas,

na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana


soneto a Bocage

truculento e vivaz a pena empunha
acutilante do nariz às estribeiras
zurze agreste as lusas pepineiras
ao poltrão ferrabrás come-o à unha

com mão direita o vate se desunha
prosápias vergastando e caturreiras
enquanto afaga cru pobres rameiras
à esquerda do afecto a que se impunha

debochado ordinário e vil até
eis Bocage todo inteiro e contumaz
desvairante num bordel ou num café

e veremos pelos poemas que nos faz
perversos ou amargos de outra fé
quanta alma este Bocage nos traz!


- Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:41


outubro 11, 2005

Furacão ou furagato?

Ando, vai já para três dias, de cabeça no ar à procura de furacões e cheio de cautelas, não vá o diabo tecê-las e ser eu atingido por algum raio que me parta...

Mas não é que não diviso nem a mais leve sombra de qualquer resquício, por mais mísero que fora, de uma tempestadezinha? Não, senhor! Lá choveu um bocadito, o que, para quem já não vê chover vai para um ano, nem é nada que não faça falta.

Quem é que andará para aí a espalhar boatos de tempestades com este afinco? E para quê? Vai-se a ver, ainda acontece a rábula de Pedro e do lobo e algum dia que seja preciso avisar a sério o pessoal, ninguém acredita e vai tudo para a praia, a banhos e piqueniques.

A verdade é que, à falta de bombas, nada como a meteorologia para manter o pagode distraído. E aos diversos efes que já nos atormentavam, junta-se agora este novo: o dos FFFFuracões.
E, atenção! Se acreditarmos nestas tretas, num viver apavorado, ainda nos vai acontecer aquilo que preconizava o O'Neil: havemos de chegar todos a ratos.

Tanto medo a meter, tanto protagonismo a manter... Como diria uma boa amiga, tanta dor no meu pipi!
No insuspeito jornal metro, publicação diária de distribuição gratuita... - a propósito, esta publicação é gratuita como? - na sua edição de 11 de Outubro de 2005, traz várias pérolas sobre estas perturbações (?!) climatéricas. Permito-me realçar esta, com especial destaque para a legenda da foto (pág. 02), e com a devida vénia, que assim reza: "TRÂNSITO CIRCULOU de forma "normal", dizem as autoridades".


Já quanto ao "disparo" ocorrido nas chamadas aos bombeiros - cerca de 100 em três horas, o que deve ser recorde absoluto mundial - ele fica a dever-se ao "entupimento dos algerozes e infiltrações através de coberturas degradadas", o que, realmente, ninguém poderia imaginar ser possível!...
Como corolário de tanta "desgraça", com anunciados furacões, tempestades tropicais, ventos ciclónicos, o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil (SNBPC) não adiantou quaisquer medidas de segurança. Isto, apesar de se terem registado, em cerca de uma hora e meia, nas regiões de Évora e Beja, "duas dezenas de inundações e vários acidentes rodoviários"!...
Parece impossível!!! Cambada de inconscientes!!!

AH-AH-AH-AH-AH-AH-AH-AH-AH!!!!!!!!!!!!... (ainda arranjo uma hérnia com isto...)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:38


outubro 09, 2005

09 de Outubro - dia de eleições autárquicas

Felizmente parece que, por fim,
está a chover com alguma intensidade em todo o território nacional.

(De resto, regista-se que não aconteceu mais nada de especialmente relevante
no que respeita ao regime democrático, republicano e laico em que,
conforme está consagrado na Constituição, vivemos)

Nota de rapa-pé (com tanto comentário idiota, aqui fica mais um...):

Face ao indesmentível desaire do PS, com especial incidência nas eleições para a Câmara de Lisboa, torna-se absolutamente imprescindível para este partido redefinir estratégias.

Assim, prevê-se a imediata separação de facto de Manuel Maria e Bárbara, com eminente mancebia deste com Fátima, num notável aproveitamento pragmático da máxima "se não podes vencê-los, junta-te a eles"...

sic transit gloria mundi (isto é, a sic transmitirá o evento para todo o mundo, dito em latim das docas)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:45


outubro 06, 2005

conta-me uma história...

(hoje estou sem vontade de brincar com as palavras... quero, apenas, senti-las passando por mim)


conta-me simplesmente uma pequena história de embalar
como aquelas que me contavam quando eu era criança
mas conta-me essa história agora
quero que o meu riso de lembranças
seja embalado pelo teu sorriso branco
que tanto me evoca as pálidas e translúcidas pétalas das rosas
a sorrirem-me num canteiro de um jardim improvável de Veneza
aonde eu nunca fui
ou vogando tranquilas na superfície lenta de uma lagoa
como barcos impossíveis dos deuses das florestas


conta-me uma história
conta-me aquela história cheia de risos e de sonhos
como as que me contavam quando a juventude ardia em mim
e os dias nasciam na intensidade das paixões
e sempre tão preenchidos de Sol
ou de neblinas feéricas de mistério e encantamento
que nos perdíamos em mares de abismos glaucos
ou de tremendas tempestades
a viver sonhos com olhos acordados de espanto


conta-me uma história
depressa
uma outra história de combate
feita com palavras urgentes de ferir como o ferro duro e frio das adagas
como aquelas palavras segredadas que surgiam
nas madrugadas cinzentas
das afrontas dos medos e das incertezas
a cercarem-nos imperativas de violência
como se estivéssemos sós
e o mundo quase todo à nossa volta nos não soubesse


conta-me uma história
podes contá-la agora
quando a falta que o tempo me faz me torna o tempo maior
a história das histórias contadas
a trança de uma vida que eu faço e da qual vivo
uma história com o sabor de exóticas especiarias
mas que contenha também a doçura indizível dos doces caseiros
as ementas que me trazem o calor da minha mãe
condimentadas com afectos entrelaçados por um cordão de mãos
que alguma vez senti


conta-me uma história
uma história que me diga onde estás
que me ajude a encontrar-me melhor porque te encontro
ou a encontrar-te de cada vez que me procuro.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:39


outubro 03, 2005

de mãozinhas no eclipse


foto de Jorge Castro

ou de como fazer mão-baixa da Natureza

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:16




Síndrome do José do Telhado?

(Caro Semog, desculpa-me lá outra vez, por estar, de novo, a desinquietar o teu antepassado!...)

Eu não sei que jeito tem isto, mas que há-de ter algum, lá isso há-de! O povão, povoléu, populaça, nas tintas para a partidarite, dá-lhe para apoiar os marginais.

Olaré! E alguma coisa hão-de ter feito, que isto o povo é quem mais ordena e tal...

Na verdade, entre electrodomésticos, parques infantis e rotundas, o certo é que os munícipes vêem alguma obra feita e... lá está: são ladrões? Deixá-lo, ora não estão a ladroar também para o bem do povão? Atão, venham eles! - É a síndrome do José do Telhado, sem tirar nem pôr!

E os maiores salafrários podem, assim, colher a simpatia das massas sem massa, criando uma massa crítica que faz tresvariar os nossos mais conceituados comentadores.

E a graça maior é que os partidos "grandes", esse pilar torto da nossa Democracia, no seio dos quais estas abencerragens foram geradas, vêm agora dizer que está mal, não pode ser, fora do partido não está certo, cambada de gatunos, etc., como se nada tivessem com o caso, como se não tivessem estado, durante anos a fio, a chuchar das tetas deste tipo de porca política.

Portugal é um país giro... Por exemplo, alguém já confirmou, oficiosa ou oficialmente, a candidatura de Aníbal Cavaco à Presidência da República? Atão porque cargas, recargas e contracargas de água é que o homem há-de aparecer em tudo quanto é sondagens e não há-de aparecer lá, por exemplo, o meu nome, ou aqui o do Manel da mercearia, que até é estabelecido e tudo?...

É que hipotético por hipotético, todos somos iguais, à luz macilenta e bruxuleante da Constituição! Ou não?...

Enquanto se debruçam sobre esta questão patafísica, podem ir vendo o que se passa em

http://www.manuelalegre.com

Pois. Já sei que estou a ser tendencioso, mas este, pelo menos, assumiu a candidatura, é poeta, não parece um manequim da Rua dos Fanqueiros e, apesar de já não ser um moçoilo, também ainda não tem a idade (nem a ratice ondulante) do Matusalém.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:21


outubro 01, 2005

novos rumos

(ia despejar-vos aqui umas coisitas sobre a ética, mas pensei melhor e achei que cheios de secas já nós quase todos andamos...)

anda no ar esta secura que se entranha
em cada poro da epiderme adormecida
um desespero de vivência ensandecida
um abandono um mal-amar a dor tamanha
o desamor de se perder de nós a vida

somos um povo que no riso se faz triste
e mal resiste de tão débil ou canalha
de fatalista faz da bandeira a mortalha
por se perder nele o valor de um peito em riste
desafiante ao fio agreste da navalha

busca só deuses um santinho ou um demónio
que lhe sustentem a modorra pachorrenta
e assim fenece na masmorra pardacenta
a acender velas de tostão a santo antónio
e nem mais dando que a vileza não aguenta

então dos cantos tenebrosos da história
lá donde surgem azorragues e chicotes
já se perfilam tiranetes ou pexotes
feitos de lérias e brandindo moratórias
no atear de inquisições com seus archotes

ó povo triste triste povo que o teu riso
grite ipirangas sem recessos de saudade
e na porfia da urgente liberdade
descubra um mar azul imenso mas conciso
por onde singre clara e firme a tua vontade.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:01


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas