<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 28, 2005

crónicas da cidade - mitos urbanos

trespassa-nos um pavor tão suburbano
talvez um pouco idiota
mas humano
de temer
aperceber um estrangeiro
eslovénio talvez
talvez busquímano
ou - quem sabe? - se calhar ucraniano
que nos aborda mal saídos do emprego
numa esquina
num semáforo
de passagem
interpretando um longo trecho num piano
que nos furta com sua cauda
até a paisagem
enquanto numa pausa em semifusa
estendida a mão fremente
o olhar acusa

mas - cuidado! - que ao pedir-nos uma esmola
irá talvez sacar do piano uma pistola
a usurpar-nos bem-estar o tal fulano
espoliando magros proventos de um ano
em linguajar de entaramelar nossos medos...

e logo ele
virtuoso e exímio no piano
que tão ágeis nos parecem os seus dedos!...


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:08


setembro 24, 2005

Comendo o poema

(ando a sentir falta de alguma poesia de faca e garfo...)


serve-se o verso com rima se o repasto é mais que certo
ou verso branco se o assento se apoia em corrido banco
garfo na estrofe atrofia o paladar já desperto
que não há verso que aguente falta de sal no entretanto

se o poema é manifesto então o caso é mais sério
que não vai lá com cantigas ou ameno refrigério
só cantado à boca cheia se faz dele uma certeza
vinho tinto cor de sangue e cozido à portuguesa

já verso servido em prosa deve ter prato ladeiro
ou será sopa de letras muito fundo e pouco cheio
hino canção ou soneto laracha de chico-esperto
dar-se-á espaço à trova para que o som saia aberto

mas nunca é de servir frio um poema feito espada
de ferir fragas fantasmas fantasias de espingarda
quanto baste o quente e a alma quanto baste desalmada
que é de comer o poema que na nossa alma arda!


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:00


setembro 22, 2005

de fátima a felgueiras - por onde se perde o pecado?

Não me incomoda, especialmente, a louridão e refrescura que a dama traz dos Brasis. Sabe-se ser lá a terra das plásticas por excelência. Já o mesmo não direi da entoação pesporrenta e napoleónica, que me enerva um pouco, reconheço... Ele há plásticas que, em boa verdade, nem nas "excelências"!

Agora, ela fugiu à justiça cá da terra, não foi? Arguida num vultuoso e nebuloso processo, não foi? E raspou-se de uma forma que eu, em pé de aparente igualdade de cidadania, bastando ser suspeito do furto de um cacho de bananas - e notem que digo "suspeito" - dificilmente seria capaz, por aproximação fabulosa, de atravessar sequer o Tejo até meio da ponte.

Entretanto vive dois anos de rendimentos indizíveis- digo eu, invejoso, que se tivesse de passar dois mesitos no Brasil, despedido e tudo, havia de estar logo de mão estendida à caridade...

Depois regressa à parvónia quando lhe convém e, arguida que é, escolhe elementos policiais de acompanhamento, instalações onde se acoite e presenteiam-na com célere dispositivo judicial o qual, pressuroso, a liberta a tempo de, no próprio dia, iniciar uma campanha eleitoral autárquica.

Entretanto, fatia importante do povão anónimo (ou nem por isso) de Felgueiras aplaude e exterioriza histericamente (ou nem tanto) a chegada da santa padroeira do burgo, que é a tal fugida à justiça.

Ou estamos em presença de um novo Zé do Telhado (desculpa lá, ó Gomes), este de sete saias e outros tantos enredos e temos andado todos enganados pelo poder, pelas autoridades e pela justiça.

Ou a dona Fátima, qual hitlerzito de bairro, confundindo as massas e baralhando as hostes, é, afinal, a verdadeira face do poder encapotado que neste país (e em tantos outros) tudo controla e determina, fazendo do sacrossanto "estado de direito" uma pantomima patética e bacoca onde aos espertalhões, espertinhos e espatalhóides tudo é permitido, com o aplauso da plebe alarve e embasbacada, invejosa apenas por não ter sido capaz de ser tão esperta quanto aqueles.

E, despudorada e provocadora, avança para a candidatura a uma autarquia, apenas porque a lei tem um buraco, ou porque o buraco tem uma lei, sem que lhe roce pelo bestunto o DEVER, além do poder. Porque talvez ela possa, legitimamente (por força do tal buraco) concorrer à Câmara. Mas não devia!

Como em tempos disse e lamentavelmente cada vez estou mais convencido da justeza da asserção, vivemos num país em que a mulher de César nem é séria, nem quer parecer e até tem raiva a quem o seja. Mas, pelo contrário, faz questão de alardear aos quatro ventos que é puta. E das piores: daquelas que se vendem apenas para comprar mais um vestidito ou uma jóita, coquete e pires, para aparecer nalguma vernissage, que não se fala aqui das aflições da fome. E, gozando com o pagode, ainda alega que é para o bem de todos!

E a turba aplaude. E, pior, vota nesta malta!

E o poder, todo ele, tal o anverso da mesma moeda, condescende, suporta ou, no limite, finge ignorar!

Se eu fosse o corsário azarado do Astérix, em pleno afundamento da nau, diria a propósito: "- Beati pauperes spirito...".

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:24


setembro 20, 2005

Eilhes tórnan an Mirandés!


Astérix, l Goulés, assim mesmo!

O mirandês é uma graça. E um orgulho. E faz sentido. Cada vez mais, neste país de coluna dorsal amolecida...

A ASA teve uma bela iniciativa ao lançar o Astérix em mirandês, com tradução a cargo de Amadeu Ferreira. Mas logo veio o entremês fatela, fatal, fantástico:

- onde foi o lançamento? - Em Lisboa, onde ninguém prescinde que a própria se constitua como a estrebaria-mor do reino.

- em que sítio? Pues, en el Corte Inglés, por supuesto, de nuestros hermanitos, los que son dañados por la brincadeyra e nosotros, elementares pategos, até a alma vendemos pelo prato de lentilhas. (Não, não é inveja. Só lhes invejo a arte de saberem gerir o óbvio e nós, nem isso...).

Em Miranda, o orgulho inicial nascido pela notícia da publicação pareceu-me deslizar para algum ranger de dentes – como sabereis, eu andava por lá e ouvi algumas bocas... - e quando o livro ali chegar, não passará de (mais) uma triste prova de que o isolamento ainda pesa como fraguedo de granito e corre o risco, por isso, de deixar de ser motivo para alimentar fundados orgulhos, para se transformar em mais um “corpo estranho” oriundo da palhaçada egocentrista da capital da ópera-bufa.

O mirandês - que soube sobreviver séculos a fio a esse isolamento e às demais vicissitudes provocadas por aqueles que têm do país a visão limitada por um gabinete de presuntivo poder acolchoado a prebendas e mordomias - soube afinal guindar-se, por mão própria, a segunda língua oficial de Portugal.

Por favores, dizeis-me? Não vos armeis em alarvemente álacres ou simploriamente simplistas, senhores, por favor e caridade. Por muito favorecimento político que houvesse no acto solene, o certo é que, a sustentar a justeza da situação, estão centenas de anos de teimosa resistência e afirmação da diferença.

Voltando ao Astérix: por terras de Miranda do Douro - que a ignorância infeliz, anacrónica e estúpida de um “jornalista” resolveu, no Público, “desviar” para Miranda do Corvo... - ninguém o viu. Chegaram, apenas e até à data, uma fotocópias a preto e branco, fazendo parecer que os cultores da língua que justifica a publicação mais não serão que algum mal necessário!

Porca miséria!

E logo em El Corte Inglês!... Mutatis mutandis e se me permitirem algum nacionalismo quiçá bacoco, a bacorada é tão imensa quanto o celebrar, por exemplo, o centenário da história da resistente aldeia gaulesa… em Roma!

Mas será que, de facto, andamos todos a dormir?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:00


setembro 16, 2005

Enquanto eu vou ali e já venho, inscrevam-se lá, por favor...





Jantar/Encontro da Irmandade Blogueira




Para Inscrição e detalhes clica sobre a imagem




Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:07


setembro 13, 2005

e, agora, de novo versejando: Acompanhante

eu não me enformo de amanhãs
nem me sustento
da palidez de alguma pétala orvalhada
o sangue
é hoje a pulsar nas minhas veias
(presa nos olhos a beleza faz-se em nada)

mas quero só ouvir o mar
ouvir o vento
ter o silêncio de algum céu enluarado
ter sempre ao lado um inconstante entardecer
e muito perto a doce e terna madrugada

tu podes vir
sabes de mim a tolerância

mas não perturbes nem sequer a leve aragem
um canto de ave
um restolho na folhagem
deixa-te estar
somente assim imperturbante
ouvindo os ecos de nós dois
em cada instante.



- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:22


setembro 08, 2005

Panaceia para combater o stress lusitano

Em “missão de soberania” por longínquas terras transmontanas, quero deixar-vos aqui não um poema, mas uma anedota, pois estou em crer que o riso há-de ser um bom remédio para combater a idiotice em que Portugal vem mergulhando. Esta é aparvalhada mas – que querem? – caiu-me no goto. Cá vai:

Terapia para combater a angústia da recessão

Na farmácia, entra um sujeito a correr:

- Rápido, por favor, arranje-me um remédio para a diarreia.

Uma hora depois, o farmacêutico verifica que se enganou e entregou ao apressado um forte calmante.

Passa mais uma hora, volta o paciente. O farmacêutico, preocupado, pergunta:

- Então, como é que o meu amigo está?

- Olhe, todo cagado. Mas calminho, calminho...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:23


setembro 03, 2005

cronicando, fascinado...

"- Doutor, dói-me o peito", queixava-se, aqui há uns anos, o amigo Fanha. Do cansaço, do tabaco...

Mas nós estamos, por cá, todos bem. Está aí a "rentrée", seja lá isso o que for. Aparentemente, há uma altura do ano em que todos nós, até os mais altos mandatários de alguma coisa ou de coisa nenhuma, estão por direito divino incumbidos do superior desígnio de banhar as partes pudendas em salsas ondas. Quando regressam, lavados, puros e bronzeados, volta a ouvir-se falar dos amanhãs que cantam... até para o ano.

No horizonte, perfila-se o tremendo embate do Bucha e do Estica (grato pela sugestão, Eduardo), sob o olhar terno de um Pamplinas socrático e de um Sócrates trampolineiro. E o povo já não sabe em que lado do circo, bancadas incluídas, é que estão os palhaços.

A educação será resolvida a chicote e a segurança à vergastada. Transformam-se, por decreto, as escolas em armazéns de idiotas, com a hipócrita ou angustiada complacência parental, e as esquadras, carentes de verba, estarão vocacionadas somente para os novos "bailes dos bombeiros", onde os respeitáveis agentes farão, tão só, guarda à sala, contra apalpões e outros desmandos brejeiros, acautelando danos no fardamento, de sua inteira responsabilidade.

Nas estradas morre-se imensamente pelas suas más concepção e confecção, sem que se conheça um só responsável, ocupadas que andam tantas cabeças imaginativas a congeminar como deitar mão a um carrinho de serviço privado, por conta de dinheiros públicos ou alheios. Nas estradas melhorzitas, o povo entretém-se a sublimar frustrações diversas, carregando com desvario no acelerador ou na buzina, na busca infrene do homicídio suicida, sem regras ou quem as faça cumprir.

O atraso nas listas de espera hospitalares está em vias de fazer com que as intervenções cirúrgicas se realizem apenas na geração seguinte: "- Sr. Doutor, estou aqui para fazer a artroplastia da anca que o meu paizinho - Deus o tenha! - tinha marcada há quarenta e dois anos...".

E tudo patrocinado pelos tais que, vendendo a alma ao diabo das louvaminhas e hipotecando o corpo ao partido ou à seita, se desunham para alcançar um Jaguar topo de gama sem dispender um tusto, enquanto invectivam o povão que se crê merecedor de mais do que um desengonçado carro de decrépitos bois escanzelados!


Uma sugestão, séria e construtiva: A gajada que está envolvida em toda esta sucata - que alguém já chamou de "fascinismo" - não quer concentrar-se em Lisboa e proclamar a independência? Uma monarquia bufa, talvez, com o Alberto João de reizinho, um coro de querubins de apito dourado ao peito e todas as estações de tv, laudatórias, em fundo...

Entretanto, o resto do país - que continuaria por direito próprio a chamar-se Portugal - tentava descobrir um caminho marítimo para Bruxelas, de pera-rocha empunhada, aguardente de medronho marginal e tomates sem calibre, e por aí fora iríamos, singrando, em busca de um novo destino que nos tirasse esta dor no peito...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:14


setembro 01, 2005

apenas mais oitocentos

Morreram ontem mais oitocentos (e mais não se sabe quantos) iraquianos.

Se virmos bem - e independentemente da mão que mata, sendo que as causas são tão próximas - foram mais seres humanos de uma só vez do que em todos os concelebrados atentados na Europa.

Até quando esta contabilidade mórbida fará sentido? E faz ou fez, alguma vez, algum sentido?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:04




espraiando-se...

- quase a encerrar a época de praia, um olhar(zinho) sobre nós, que isto é um gozo e nem só de lamentos vive um homem...

dá de nós um ar basto decadente
assim passar o dia em praia concorrida
vendo passar de roupa alegre colorida
na urgência do areal toda essa gente

e há uma festa no ar que a si se basta
que comove – arrasta – e que nos deixa
no areal ao Sol sem uma queixa
pela diversidade fresca e algo madrasta

ali os amantes no enlevo das borbulhas
aqui um tarzan que sem Cheeta usa uma bola
além a tia que de chita fez a estola
e sobre nós feros jovens em bravas bulhas

e as moças num ténis disputado tão sem jeito
no extravio da graça em cada raquetada
ou os moços na demência da bolada
que produza na assistência algum efeito

quanto ao mais diversão abrutalhada
do gorila que atira a amada ao mar
ao puto parvo que em corrida de pasmar
deixa a malta mais basbaque e encharcada

há ogres magros que assarapantam as mágoas
e as tiaças da terna franja dos trinta
cavalgando em carrocel de motas de água
num alarde tão alarve e tão sem pinta

e há galifões uns de crista outros de ventre
e matadoras que fulminam só de olhar
e à nossa frente fica este espanto de mar
que nem se espanta de banhar toda esta gente

por mim me quedo nostálgico em calção
de banho que utilizo em duas mudas
vendo tudo à minha volta de bermudas
que me encantam só por serem como são…


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:08


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas