<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
fevereiro 28, 2005

Serviço público... Um euro não custa nada.

Recebi este mail de alguém que dedicou a sua vida à vida dos animais que nós maltratamos. Não é meu hábito alertar consciências para este tipo de situações... Mas há sempre uma vez na vida para tudo. E a pessoa em questão merece-me todo o crédito.

Assim, para vosso conhecimento e eventual interferência, cá vai:

From: ana_maria_duarte@portugalmail.pt
To: undisclosed-recipients

Subject: Pedimos apoio!!!!
Date: Mon, 28 Feb 2005 14:39:27 +0000

Amigos,
A ASSOCIAÇÃO BIANCA está com dificuldades financeiras. No mês de Fevereiro
apareceram seis casos de saúde bastante caros:

- o Samoyedo com problemas no intestino (por isso tinha sido abandonado) cuja
cirurgia custou 700€;

- a Mari atropelada com fractura que custou 280€;

- A Rafa devolvida à Bianca com um ano, com sarna (está em tratamento ainda)
dois cachorros com 2 meses também com sarna;

- Uma cachorra de mês e meio com pata partida e osso deslocado;

- Um arraçado de caniche atirado de um carro em andamento com fratura na
bacia e esfolamento da parte inferior do corpo.

Depois de tudo resolvido a quantia é elevada.
90% dos associados não pagam as quotas ( ainda dizem que a Associação nada
faz e fazem exigências).
Assim, vimos apelar a quem possa ajudar, mesmo com 1 € por pessoa.

Os nossos dados são:

NIB 003507710001636053029 - Conta nº. 0771016360530 - CGD Sesimbra
Agradecemos a atenção dada a este apelo e pedimos desculpa pelo desabafo.
Ana Duarte 964423018
Rosa Zegre 969174268
Françoise 968132815
Teresa Sousa 919536295
____________________________________________

A quem interessar possa, pode sempre pesquisar na net, para saber mais sobre esta Associação:

http://www.sesimbra.online.pt/Bianca.html

... Ou, à falta de melhor, divulguem. A bicharada agradece.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:51


fevereiro 26, 2005

Alguns reflexos pós-eleitorais urbanos...

Fotos do OrCa



Honni soit qui mal y pense...



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:59


fevereiro 24, 2005

Sorriam, mesmo que o coração doa, como diria o Chaplin

Hoje ia lançar aqui mais uma diatribe biliosa contra a dança de cadeiras de "administradores" que está para aí a decorrer, frenética, nas tais empresas semi-públicas, semi-privadas, que o bom povo português sustenta. A pressa deles advém da necessidade de branquear a saraivada de disparates que deixam feita, antes de tomar posse o novo governo que, se Deus quiser e o Diabo deixar, vai iniciar um outro ciclo... o qual, não havendo juízo, virá a ser mais do mesmo (ó Sócrates, tu tem-me cuidado com o aparelho, homem!...) .

Mas os afazeres não me deram tempo...

No entanto, o dia correu de feição. Aconteceu, à minha volta, uma mão cheia de coisas boas, positivas e promissoras que me deram um alento de que já andava a precisar.

Foi (está a ser) um dia e tanto! E isto é coisa tão rara, que até estou a estranhar a fartura.

Na verdade, enquanto escrevo estas poucas e aparvalhadas palavras, um sorriso corre-me a cara, de orelha a orelha, do tipo ar-alegre-do-palerma-satisfeito, pouco recomendável para usar às segundas-feiras, de manhã, no metropolitano.

Façam-me um favor: sorriam comigo, para eu não me sentir a fazer figura de parvo, ok?

Boa! Estão mesmo bem assim, obrigado!

... Amanhã ou depois falarei dos tais administradores. Se calhar, o tema nem é assim tão relevante.

Entretanto, fiquem bem e aguentem esse sorriso até sentirem caimbras nas bochechas!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:40


fevereiro 21, 2005

Um poeta mal dito

(Ora, saia lá uma de escárnio e maldizer para a mesa do canto!...)

Poeta de beco esconso
Um sonso
Ganha fama de maldito
E pronto
Lá vem de faca na liga
O tonto
Impante e a pedir briga

Relapso
Foge ao responso
Faz da vida desconsolo
O tolo
E num dia faz por lapso
Um poema-mastodonte
Que é fatal
E decisivo
Paradigma da verdade
Que faz tremer a cidade
E apaga o Sol no horizonte
Melhor talvez do que Ovídio
Que Gil Vicente ou Camões
Sai decreto e protocolo
Em que acede ao subsídio
Para evitar confusões

Ufano
Mais à vontade
Não haja quem o perturbe
O fulano passa a pano
O poema pela urbe
Diz urbano o seu poema
E diz-se à boca pequena
Poeta sim
Mas maldito!
E não será contradito
Pois assim é que ele se quer

Mas diz tão mal o poema
Que já lhe dizem de pena
Que de poeta maldito
Só diz mal dito o poema

E por mais que bem porfie
Por dizê-lo tão melhor
Fica o escrito mal dito
Em cada dia pior
Dia a dia adocicado
Por nuances de favor

E de cerviz bem dobrada
No beco esconso do vate
Maldizendo carestias
E a roupa mal lavada
Há hoje um triste esmoler
Vendendo versos à peça
A quem melhor lhos pagar

Bem se arvora ele em poeta
Para o que der e vier
Mas é poeta alugado
E o que ele faz
Refogado
Teria melhor sabor

Poeta será
Talvez...

Maldito não é quem quer.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:36




Perspectiva pós-eleitoral

Não alterando uma linha ao meu "post" anterior, bem pelo contrário, gostaria de realçar, nestas eleições, o seguinte:

- Jorge Sampaio é, por entre toda a fumaça, o grande vencedor destas eleições. Aquele que melhor terá sabido, nas funções que lhe estão cometidas, interpretar, num momento dado, o "sentir da nação".
Jogou uma cartada de alto risco. Não sei se haveria muitos dispostos a corrê-lo.

O descontentamento popular carecia de voz e Jorge Sampaio teve a coragem e o mérito políticos de lutar pela forma - que se revelou a mais adequada - de facultar essa oportunidade para o descontentamento se fazer ouvir.

Da mesma forma, José Sócrates, muito para além de ter obtido uma maioria absoluta, terá aqui a oportunidade histórica... de fazer História e contribuir para que Portugal entre, por fim, em novo rumo... (as reticências são propositadas e vão para além da mera sinalética gráfica).

Cá estaremos para ver, mas como cidadãos activos e participantes!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:52


fevereiro 20, 2005

Cidadania

Hoje é dia de votação.

O dia está fresco e o céu azul.

Vou fazer umas torradinhas de pão saloio com doce de limão para o pequeno-almoço. De seguida, lavo a cara, para abrir melhor os olhos, e vou até à mesa de voto...

'Bora ir que, daqui a pouco, talvez a gente por lá se encontre!
(A ver se não me esqueço de dar de comer à gata...)

Entretanto, a Titas desafiou-me para um debate sobre as eleições, que corre no seu Titas on line 3... e aqui fica a minha participação:

Cedo aprendi (ou disso me convenci...) que as personagens do xadrez político são apenas isso: personagens. Protagonistas, se assim o quisermos.

O combate e, daí, as opções encontram-se no ideário de cada um de nós. Aqui e ali, um intérprete desempenha um papel mais eficaz, mais apelativo, que melhor se aproxima, pela positiva ou pela negativa, isto é, pela nossa aceitação ou pela rejeição, pela nossa proximidade ou pelo afastamento, desse conjunto de ideias que nos enformam.

Mas não deve perder-se de vista que ele é apenas isso: um intérprete, mais ou menos eficaz, de um ideário, num momento determinado.

As minhas convicções não sofrem – ou não devem sofrer... – alterações ou abalos apenas porque esse intérprete, ser humano com as suas forças e fraquezas, me defrauda as expectativas que nele centralizei, num momento dado.

Assim, interessa votar, porque esse é o MEU DIREITO de cidadão. Em quem? Pois bem, naquele agrupamento que, nesse tal momento dado, me pareça que mais se aproxima do meu ideário. Serão esses, através das suas funções políticas, a quem eu dou o meu aval representativo, enquanto cidadão. Nada mais.

Deles esperarei fidelidade e lealdade. Se me defraudarem as expectativas... alterarei o meu voto em futuras eleições.

E deve ser tudo tão fácil e elementar quanto isso.

Não posso subscrever a opinião daqueles que passam a vida em constantes lamentações porque “os outros” não correspondem (ou corresponderam) às suas expectativas, quando eles próprios não se empenham em engrandecer a vida, vivendo-a por si próprios, em vez de ser por interposta pessoa.

Votemos, pois, que é o mínimo que a nossa consciência cívica nos impõe, para nosso próprio respeito, enquanto seres humanos.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 07:20


fevereiro 17, 2005

A Carlos Paredes


ouvindo o guitarrista Pedro Jóia em variações
sobre temas de Carlos Paredes

Às vezes dessa melodia soltava-se dolente
A dor sem tamanho
Uma melancolia
Talvez a saudade cheia de revoltas
Que nos atingia e nos espantava
Que nos afligia
Entre notas soltas
Às vezes era o que eu ouvia
O que tu ouvias
O que eu sentia
O que nos fazia
Soltar-se dolente uma dor tamanha
Nem tinha tamanho
Que nos envolvia
E que nos fazia sentir outro tempo
Outro igual ao vento
Que num contratempo ou num contraponto
Nos afligia
Por estar tão perto
Pelo sabor incerto de ser este o tempo

Às vezes saltitavam cordas
Como nós dos dedos
Com que se tangiam
Brancos de degredos como os nossos medos
Como as nossas vozes tristes de caladas
Erguidas em grito
Terrível
Maldito
De pronto desperto
De pronto tão certo de ser tão preciso
Ser atento e vivo num tempo indeciso

Às vezes
Era só o vento tudo o que se ouvia
O som de um lamento feito a contragosto
Ou em contraponto
À voz de amargura para além do tempo
Um vento que grita
Melodia aflita pela noite escura
E vibra em amarras de incerto veleiro
Vogando aventuras pelo mundo inteiro
Num som de guitarras.

- Jorge Castro



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:48


fevereiro 16, 2005

Apontamento eleitoral sem qualquer espécie de relevância...

Eu voto sempre! Desiludido, desenganado (ou enganado), esperançoso ou desanimado, indignado ou raivoso, eu voto sempre.

Que é que querem?... Cada um é como cada qual e já me pronunciei bastas vezes sobre o assunto, para estar agora a moer a paciência dos meus estimados visitantes.

Já lá dizia o Ary, "poeta castrado, não!"... E o homem também se referia a este grito de estar presente que, sendo pouco, é um dos que temos.

Mas não era de nada disto que eu queria falar.

Canso-me de ouvir políticos analistas e analistas políticos a perorarem que "vêm aí tempos de grandes dificuldades e os portugueses têm de se habituar a tal ideia".

Nada que a mim me revele mais da hipocrisia e/ou desconhecimento da realidade do palestrante ou plumitivo do que ouvi-lo dizer tal coisa.

De que portugueses falarão eles?

É que uma parte MUITO substancial dos portugueses não "terão de se habituar" a tal ideia, não.

Já estão é "marrecos" de estar habituados à ideia e a concelebrada crise vive e dorme com eles há muito tempo. Em casa de muitos se não come à mesma mesa é por já não haver dinheiro para alimentar mais uma boca, que a crise é bicho de muito alimento!...

Mesmo assim ou, talvez, por isso mesmo, eu voto sempre!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:34


fevereiro 13, 2005

Depois da guerra...

De um poema de Maria Mamede, publicado por Ognid, na Catedral, poema esse magnificamente apoiado - como é timbre - por uma imagem rigorosa e contundente, senti-me impelido a deixar também o meu grito contra a insanidade das guerras:


Do casario inocente ainda brotava
O sangue das paredes destruídas
Empapando a terra profanada
Pelas botas cardadas homicidas

E contudo renscia num recanto
Da semente que a vida nunca esquece
Uma flor num fio de voz
Um acalanto
E a mãe embala o filho numa prece

Tanto inverno e tanta dor na tempestade
Tanto ódio sem saber da vida o rumo
Mas naquele recanto só a Humanidade
Do estrondo da metralha
Espanta o fumo

Nada os cobre ou os protege
Nada abriga
Aquela mãe e o filho que amamenta
E o sorriso que ambos têm contra o frio
É a vida que de simples se sustenta.


- Jorge Castro

Trabalho de imagem sobre fotografia "Mother and Child", de Alastair McNaughton, obtida em Himba, Namíbia.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:09


fevereiro 12, 2005

A Poesia É...

Apenas algumas achegas que me ajudam a dizer que a Poesia é a percepção mais íntima da Vida:

- “A poesia, numa obra, é aquilo que faz surgir o invisível.” – Nathalie Serraute

- “ ...exactamente não serve para nada...daquilo para que usualmente as coisas servem...então serve para tudo... às vezes apetece desistir mas qualquer coisa imensa/ignota agita a alma do poeta e faz com que as palavras brotem...a mão executa...” - Morfeu - blog Anomalias


- “O poeta é como o príncipe das nuvens. As suas asas de gigante não o deixam caminhar.” – Charles Baudelaire

- “A arte apenas faz versos. Só o coração é poeta.” – André de Chénier

- “Criar aquilo que jamais veremos, eis a poesia.” – Gerardo Diego

- “A poesia sente-se, vive-se, por vezes (se temos engenho e arte para tanto) solta-se das nossas mãos, pode até viver estrangulada na garganta, mas servir, não sei se serve para alguma coisa específica. Rimos, emocionamo-nos, choramos com ou somos indiferentes a um poema. Talvez seja para isso que serve: para acordar sentimentos.” - Lique - blog Mulher dos 50 aos 60

- “Basta, para o poeta, ser a má consciência do seu tempo.” – Saint-John Perse

- “A poesia consiste em mudar de linha antes do fim de uma frase” – André Gide

- “O homem que é poeta aos 20 anos não é poeta, é homem; se for poeta depois dos 20, então é poeta.” – Charles Péguy

- Um poeta é um mundo encerrado num homem” – Victor Hugo

- “Nós somos as abelhas do universo. Colhemos desvairadamente o mel do visível para armazenar na grande colmeia de ouro do invisível” – Rainer Maria Rilke

- "A musician must make music, an artist must paint, a poet must write, if he is to be ultimately at peace with himself. What one can be, one must be." - Abraham Maslow (trazido à colação por Titas - blog Titas on line 3)

- Ser poeta não é uma ambição minha, é a minha maneira de estar sozinho.” – Fernando Pessoa

- Na poesia, a vida é ainda mais vida do que na própria vida – Vissarion Bielinski

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:02


fevereiro 08, 2005

Manifesto


Ao poeta lhe compete
A reinvenção da esperança em cada dia que viva
Cantando ao mundo
A infinita
Harmoniosa
Diversidade criativa
Ainda que no seu canto se pressinta o desespero
Pelas campinas
Que se mancham de luto nos tempos da fome e da secura

Ao poeta lhe compete
O sacudir as grilhetas
Rompendo os muros
E as prisões do pensamento
Que amordaçam e entravam cada passo da jornada
Mas saber da existência de árvores nas nuvens
E das mulheres com cabelos de arco-íris
Que transportam o sonho nos seus ventres
Com a graça de intemporais deidades

Ao poeta lhe compete
Cantar o corpo
E a dor
E cada lamento de sofrimento que percebe
Nas mortes infinitas sem sentido
Mas saber ouvir o riso cristalino da alvorada
Na voz ainda feliz de uma criança
Como o cântico de rumorejante regato
Para então se alimentar das fontes eternas da sabedoria

Ao poeta lhe compete
Escarnecer
Das poses brutais de espavento
De oportunistas e néscios
Que entravam ao futuro o seu caminho
Uivar até se for preciso e ranger os dentes
Mas saber do abraço e do consolo
Das mãos que se oferecem quase todas
Quando mal sobra espaço e tempo para a dádiva

Ao poeta lhe compete
A denúncia do ódio até ao sangue
Para que o amor prevaleça
O eterno combate contra os gigantes do medo
Disfarçados de inocentes moinhos
Cujas pás trucidam o vento e as esperanças
Mas que o faça sempre por paixão
Àquela amada no regaço da qual anseia
Libertar por fim o seu cansaço

Ao poeta lhe compete
O cântico maior à vida
Aos afectos e aos amores
À tal réstia do universo
Que nós somos
Todos nós

Mas
Senhores
A esse de que vos falo lhe compete
Cantar a graça das flores
Sempre e ainda e outra vez
Ou então será truão
Bobo da corte talvez
Será padre
Sacristão
Tudo o mais que dele fizerem
Se jamais cantar as flores
Jamais será um poeta.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:21


fevereiro 05, 2005

Inquietação ecuménica em período eleitoral

Corria o cantochão em dós de peito
Perdido cada um em seu lamento
E nem era por feitio mas defeito
Tamanha a dor em nós
Tomando assento

Hienas e abutres
Vis chacais
Assim julgamos todos mais à nossa volta
Aqueles que afinal nos são iguais
Carreando o mesmo fardo
A mesma escolta

Ainda que uns brancos
Outros pretos
Outros ainda brandos
Outros brutos
Brotámos todos nós da mesma fonte
Os caminhos apenas são diferentes

Perseguimos então qual aventura?
Qual a morte desejada a vida valha?
Qual a cor de pele é a mais pura
Se o sangue em todos é de cor vermelha?


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:49


fevereiro 01, 2005

Harmonias

Ao meu amigo Rui Malheiros, grande "irmão mais velho", que aqui há uma data de anos resolveu nascer neste dia 01 de Fevereiro:


Harmonias mal as ouço
No compasso
Deste tempo empedernido
Em que me faço
Ouço apenas os rangidos dissonantes
Do terror
Da angústia dos instantes
Cacofónicos
Chilros
Diletantes
Onde sei jamais do outro
Cor de enlace
Senão temor maior
Angustiante
Ou a mão implorando na desgraça
Do naufrágio
De um viver desperdiçado

Ainda assim quero construir os laços
De procura de outro espaço de harmonia
Que nos traga outra luz até ser dia
Na urgente companhia de um abraço.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:08


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas