<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
fevereiro 27, 2004

MAR perplexo

Com estas correrias atrás da vida, só agora soube que:

1. Um director da PSP, motociclista impenitente, mandou um 'malho' com a sua mota num viaduto de Lisboa onde o trânsito é vedado a motociclos... Parece que nunca se tinha dado conta da existência do sinal de proibição...

2. Fátima Felgueiras irá receber uma indemnização, salvo erro porque o Estado teria deixado de lhe pagar as remunerações pelo exercício do seu cargo de Presidente da Câmara de Felgueiras...

Bem eu me farto de dizer que os bons exemplos vêm de cima!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:22


fevereiro 26, 2004

Mar estagnado

Passei, hoje, de carro, pelas obras do túnel do Marquês, em Lisboa... Passei é uma forma de dizer, pois demorei tanto por ali que nem sei se não terei por lá ficado!...

Bem, mas a questão em que meditei naqueles longos, muito longos momentos, foi esta: se o presidente Santana pavimentasse bem as vias de circulação de Lisboa; se se munisse de agentes que impedissem liminarmente o estacionamento indevido - sobre passeios, em segunda ou terceira fila, etc., etc. - e que circulassem pela cidade para controlar os energúmenos em que todos nos vamos tornando na selva do trânsito urbano, se se definisse um horário, a horas mortas, para cargas, descargas e entregas desvairadas, e sei lá que mais... não seriam estes bons passos para sentir uma lufada de ar fresco no trânsito citadino? E o dinheiro que se está a gastar no túnel, não ajudaria para tudo isto?

Não, não proponho uma panaceia milagrosa para o problema. Só estou a pensar em aligeirar o drama... e disciplinar o povão, que também é preciso. E, para tanto, não há necessidade de chicote. Fala-se de regras de bom viver, apenas, e do seu bom cumprimento.

Enfim, tal como aconteceu com a autoestrada de Cascais, fica-nos a certeza de que teremos melhores vias para chegarmos mais depressa aos fatais engarrafamentos da selva. E, ainda por cima, pagando, que o português é danadinho para pagar estas tretas!...

Esta objectiva estupidez já será herança genética? Ando preocupado...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:37


fevereiro 23, 2004

Mares de Vida

Há dezassete anos que me faz falta o José Afonso.
Durante outros tantos soube dele a companhia, o exemplo, a vontade e o canto.
Há dezassete anos que se canta José Afonso.
Há vozes que nunca se calam.

Visitem http://maiorqueopensamento.grupos.com.pt/2004/02/o_dia_z.php, tragam outro amigo, também, e talvez nos encontremos...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:47




MAR com estrelas

Uma ave-do-paraíso segredou-me:

Tu sabias? Em muitos idiomas europeus, a palavra NOITE é formada pela letra N + o número 8...

A letra N é o símbolo matemático de infinito e o 8 deitado também simboliza infinito, ou seja, noite significa, em todas as línguas, a união do infinito !!!

Português: noite = n + oito
Inglês: night = n + eight
Alemão: nacht = n + acht
Espanhol: noche = n + ocho
Francês: nuit = n + huit
Italiano : notte = n + otto

- Não é uma informação transcendente, talvez. Mas poderá proporcionar inspiração para um poema...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:08




Maré de Carnaval

Chega-nos, do reputado repórter e cronista dos sécs. XV e XVI, Sr. Leonardo, o veemente protesto pela apropriação abusiva e não autorizada por parte de D. Janet Jackson, de uma composição sua aquando da evocação da Madona Litta, ocorrida aí por volta de 1490.

Efectivamente, o envolvimento é manifestamente idêntico, sendo até de ressaltar que, na imagem invocada, o figurante tem o cuidado de, pudicamente, encobrir a auréola do mamilo de D. Madona com os seus próprios lábios, evitando assim uma exposição aviltante da estrela...


Na ausência de pedido de desculpas público, pode admitir-se a entrada de respectivo processo por violação de direitos de autor.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:14


fevereiro 20, 2004

MAR De Descobertas

Já descobri! Portugal é um portal para o mundo paralelo de que tanto falam os ficcionistas!...

Acreditem, não gosto do Vale e Azevedo qualquer que seja o perfil em que o veja. Mas aquilo não se faz a um cão! Não há limites para a indignidade?

E ele tem de haver sempre uma mão-cheia de abrutalhados prontos para cumprirem uma ordem tão abrutalhada quanto eles? Digam-me cá: se vos entregassem um 'papelinho' daqueles, vocês cumpriam? Sem discutir, sem questionar? Vocês cumpriam?

No dia seguinte, toda a gente acha que aquilo foi indigno! E é a unanimidade nacional! Queres ver, foi algum extraterrestre que deu a ordem de prisão ao VeA só para subverter e estabilidade portuga.

Por isso, eu acho que Portugal é um portal escancarado para um mundo paralelo... E penso que fica ali para os lados do Terreiro do Paço, ninguém me tira isso da cabeça! Vocês bem vêem o que aconteceu ao Metro... Depois, não digam que não vos avisei!...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:41


fevereiro 19, 2004

MARES DE ESCRITAS

A propósito da 'entrada' anterior, aqui vai um texto algo a propósito que ainda há pouco fiz e remeti aos meus amigos, empenhados em mares de escrita. Espero que vos seja útil.

LENDO "COMO UM ROMANCE", DE DANIEL PENNAC

Oh amizades minhas feitas pelos caminhos das escritas!

Estou a ler um livro de um "colega" que me era, até há bem poucos dias, um ilustre e anónimo desconhecido. Mão amiga e fraterna o lançou nos meus braços. E a hora foi uma hora boa.

Para todos vocês que escrevem e lêem, que juntam as palavras que vos são queridas, proibidas, necessárias ou lúdicas e assim intentam preparar e projectar um futuro para a humanidade, aqui ficam as apresentações: Daniel Pennac. O livro: "Como Um Romance", Edições Asa, colecção "Pequenos Prazeres".

Este livro está a ser, para mim, uma rara delícia.O autor, além de romancista, é pai e professor. Julgo-o recomendável para os romancistas, para os pais e para os professores. Os poetas não menciono, pois para eles tudo será recomendável.

E ex-cito: "... nós, que lemos e que pretendemos propagar o amor ao livro, preferimos frequentemente ser comentadores, intérpretes, analistas, críticos, biógrafos, exegetas das obras que emudecem devido ao piedoso testemunho que damos da sua grandeza. Aprisionada na fortaleza da nossa competência, a palavra dos livros é substituída pela nossa palavra. Mais do que deixar a inteligência do texto falar por nosso intermédio, remetemo-nos à nossa própria inteligência, e falamos do texto. Não somos emissários do livro, mas os guardiões arregimentados de um Templo de que elogiamos as maravilhas com palavras que fecham portas..."

De repente, apeteceu-me oferecer a cada um de vós um exemplar.

O homem tem uma graça fluida no alerta para os direitos fundamentais do leitor: "o direito de não ler; o direito de saltar páginas; o direito de não acabar um livro; o direito de reler; o direito de ler não importa o quê; o direito de amar os "heróis" dos romances; o direito de ler não importa onde; o direito de saltar de livro em livro; o direito de ler em voz alta; o direito de não falar do que se leu".

Subversivas e salutares recomendações ou lembranças, a nós tão perdidos em figurinos "oficiais"!

Se Cervantes encanta e Saramago assarapanta, Daniel Pennac - em comparação sem problemas de ortodoxia - está a deliciar-me. Cada página sua é um conjunto de desvelos em prol do livro, da sua intrínseca identidade e da sua cumplicidade pela leitura. Quase diria que me ajudou a reencontrar os meus próprios carris para a viagem que intento.

Como sempre e com esse fardo fantasmagórico da humildade, fica-me a dúvida quanto à objectividade da minha avaliação, para além da paixão súbita e passageira. Por isso, façam-me (e a vós mesmos) um favor: leiam-no e depois digam-me se não ficaram a respirar melhor.

Citação de encerramento: "O homem constrói casas porque está vivo, mas escreve livros porque sabe que é mortal. Vive em sociedade porque é gregário, mas lê porque se sente só... Os raros adultos que me deram livros a ler, fizeram-no sempre de modo muito discreto, e nunca me perguntaram se eu tinha compreendido. A esses, evidentemente, eu falava das minhas leituras. Vivos ou mortos, ofereço-lhes estas páginas.".

Um abraço sem mais palavras.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:37




MARÉ DE PALAVRAS ESCRITAS

Luís Ene propõe-nos um concurso literário. Visitem-no em http://milmaisuma.leiturascom.net

Os prémios são fantásticos! Para os que se queixam - às vezes, até cheios de razão - de falta de oportunidades, aí está uma.

Ai de quem eu souber que não concorreu!... (Vocês sabem a quem estou a dirigir-me...)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:17




MARÉ DE GRAÇA (é de borla, não pagam nada...)

A OrCa vê-se, por vezes, grega para inventar o tempo necessário para vir até aqui... Hoje, sonolenta e esfomeada, a OrCa apenas partilha um pequeno primor que mão amiga lhe fez chegar recentemente:

Numa reunião com o presidente da Suíça, o Durão Barroso apresentou-lhe os seus ministros :

- Esta é a Ministra da Justiça, esta é a ministra dos Negócios Estrangeiros, este é o Ministro da Educação, esta é a Ministra das Finanças ... etc.

Chegou a vez do Presidente da Suíça :

- Este é o Ministro da Saúde, este é o Ministro dos Desportos, este é o da Educação, este o da Marinha ...

Nessa altura, Durão começa a rir :

- Ah! Ah! Ah! Para que é que vocês têm um Ministro da Marinha, se o vosso país não tem mar ?

O Presidente da Suíça então responde :

- Não seja inconveniente, quando você me apresentou os seus Ministros da Educação, das Finanças e da Justiça eu também não me ri...



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:28


fevereiro 18, 2004

Há ondas assim...

A OrCa tem destas fra(n)quezas: às vezes julga-se lírica e lá vai disto. Para vocês, que me visitaram,

Ao sabor da corrente

Passo a passo
do que eu faço
recebo de vós o abraço

Não foram muitos
só mil
alguns beijos
cem abraços
cem olhares
duzentas mãos
São o que são
mas assim
se faz o chão
dos meus passos

Peço meças às pessoas
àquelas em que me enlaço
um regaço quente sinto
pressinto o calor de um braço
sei-te bem ali defronte
desafiante pessoa
aventura estimulante
por neblinas filtrada
um sonho fugaz que voa
um fio de rio estreito
que a tormenta agiganta
e que já é mar depois

Éramos dois na contenda
Somos quantos mais agora?

Somos tantos que a aurora
Nos enche de madrugadas
Somos tantos que o mar
Só para nós se faz corrente
Somos tantos que apetece
Sermos só nós o bastante
Deste fluir que parece
Sermos tudo de repente
A percorrer tanta estrada
Lançada em caminhos novos
Olhar cheio de futuro
Com mãos vazias de nada

E nem o fogo nos funde
Sendo assim tão feitos de aço
Neste cadinho da vida
Que o dia-a-dia confunde
Tempera-nos a solidão
Quanto nos molda um abraço

Passo a passo
Assim me faço.


A OrCa espera, sinceramente, que façam o favor de ser felizes!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:24


fevereiro 17, 2004

MAR de dúvidas

Recessão? Ai, não!... É cada um de nós (pelo menos, a maioria) olhar para a carteira e desvendar-lhe os despojados interiores, como há muito tempo não acontecia. Uma pouca-vergonha, aqueles interiores todos à mostra!

Mas ele há ilhas: depois de não-sei-quantos-anos a acumular prejuízos, a TAP aproveita a recessão e zás!, apresenta uns lucros do caraças! É como os bancos: nunca tiveram tais lucros!... Dá para perceber? E o meu velhote que tanto queria que eu tivesse estudado economia... Devia ser com um receio adivinho de que eu desvendasse assim a minha ignorância em hasta pública.

Já a maior parte das empresas públicas continua a dar prejuízo. Mas isso não é mau. Assim c'umàssim, sempre nos transmitem uma confortável sensação de estabilidade, de continuidade, que anestesia o stress nacional.

A gasolina "liberalizada" ficar cada dia mais cara, também já nem se estranha. Estranho seria o contrário. É a "concorrência" à portuguesa, no seu melhor e o Zé Povinho a servir de tambor ou de pião das nicas.

Agora aquilo da cerveja Sagres em lata sair, em Espanha. 14 cêntimos mais barata do que em Portugal, isso é que não é admissível! Abaixo um governo que permite que tal destempero ocorra, com incidência tão marcante na identidade nacional e tão mau exemplo para a malta mais nova! De certeza, certezinha, que aquilo é boicote ao 2004 e devem estar todos feitos com as máfias da Casa Pia e com o afundamento do Prestige!

Há coisas que, realmente, fazem sentir - de forma candente - a necessidade da mudança. Resta saber de quê: de governo, de povo, de país?... (Mas olhem que esta diferença de preços na Sagres é grave!... Não parece, mas é!... Vocês brincam, mas olhem que isto é muito sério...)

É que um tipo distrai-se com estas coisas e, de repente, zás! outra vez, e cai-nos um Santana Lopes na sopa da Presidência!...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:10


fevereiro 16, 2004

Maré de milhar

Passo a passo, do que eu faço
recebo de vós o abraço...

Não foram muitos, só mil
alguns beijos, cem abraços
cem olhares
duzentas mãos...
São o que são
mas assim se faz o chão
dos meus passos.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 02:03


fevereiro 15, 2004

MAR de Opinião

Em 15 de Fevereiro de 2003, uma parte significativa da população mundial manifestou-se, um pouco por todo o mundo, para além de bandeiras ou religiões e porventura em números sem precedentes, pela paz, contra a guerra e contra a ocupação do Iraque.

Foi, portanto, há um ano. Se alguma coisa ficou melhor no mundo, se ele ainda 'pula e avança', ficou isso a dever-se bem mais a esta atitude activa, do que à manutenção da guerra ou à ocupação do Iraque.

Este ano, o dia será o próximo 20 de Março. Pelas 15 horas, do Largo de Camões à Praça do Município.

Se acharem que ainda vale a pena plantar uma macieira, não se esqueçam de o anotar nas vossas agendas.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:48


fevereiro 12, 2004

Maré de cada-um-faz-o-que-pode...

Recebi, no meu pc, esta terrífica mensagem. Prova inequívoca de que o mundo está perigoso! Continuem a ter medo, a ter muuuuito medo!!!

Hi,

I'm a Portuguese virus, but because of poor technology in my country I am not able to do anything with your computer.

So, please be kind and delete an important file on your system and then forward me to other users.

Thank you.



(Pronto, está bem, eu traduzo:

Olá, eu sou um vírus português, mas por causa da fraca tecnologia existente no meu país, não consigo fazer nada no seu computador.

Por favor, seja simpático e apague um ficheiro importante do seu sistema e, depois, passe-me para outros utilizadores.

Obrigado.)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:12


fevereiro 11, 2004

Maré de Atitude

Talvez a temeridade seja desmedida, roçando a inconsciência. Mas há uma inefável satisfação interior que nasce de gestos ou atitudes simples como esta:


(... Quanto ao vernáculo, tirando o facto de estar em inglês, é ele que reforça a graça da tal atitude. Que me perdoem os puristas. Já em relação aos puritanos... tenham santíssima paciência mas, hoje, não estou com paciência!)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:13




MAR Cínico

Não sei se poderá estabelecer-se alguma ligação emocional à entrada anterior, acerca de economia... Mas, de alguma forma, um diabinho de cornito mais retorcido estabeleceu um 'link' a esta pilhéria, nada tendo a ver uma coisa com a outra:

Disseram a Fidel:
"A situação em Cuba está tão má que as universitárias se tornaram prostitutas".

Fidel respondeu :
"Não é bem assim, a situação em Cuba é tão boa que até as prostitutas são universitárias".

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:35


fevereiro 10, 2004

MAR congestionado...

09 de Fevereiro de 2004 - “Prós e Contras”, RTP 1 - Tema: Economia.

Simplesmente fantástico! Não, a sério!... Seis eminentes economistas, seis, redondos de conceitos e acutilantes na análise, desdobraram postulados, chicotearam-nos a autoestima, gritaram outra vez o Ipiranga... mas não explicaram à trabalhadora despedida da BRAX porque é que ela e as outras colegas só ganhavam 375 euros por mês quando o patrão alemão decidiu - economicamente, dir-se-ia - ir explorar as romenas, depois de ter esvaziado a teta das portuguesas, perante a complacência do nosso Estado.

“Prós”: Fernando Ulrich, João Talone, António Borges.
“Contras”: Pina Moura, António Almeida, Campos e Cunha.

Seis eminentes economistas, seis, todos com responsabilidades das gordas na área da economia nacional, concluíram que, afinal, entre prós e contras, estão todos de acordo! Os espanhóis são melhores? Venham eles, que nós somos bons cum’ó caraças e queremos é desafios e competição! Os irlandeses apostaram na educação e em trinta anos tornaram-se num caso único de sucesso na economia mundial? Pois, apostemos também na educação, carago! Estamos à espera de quê? E metamos veterinários a fazer de engenheiros civis, engenheiros de máquinas a fazer de gestores, advogados a fazer de amanuenses, psicólogos a varrer ruas...

Quando o único telespectador referiu, ao telefone, que os portugueses são bons no estrangeiro, não apenas porque há melhor gestão empresarial e dispositivos regulamentares mais eficazes, mas porque GANHAM MAIS e, assim, se sentem mais motivados porque, obviamente, o seu trabalho COMPENSA, já para nem falar do enquadramento social em que são mais protegidos do que na terra-mãe, os seis eminentes economistas, seis, mantiveram um generalizado e pudico silêncio... talvez comprometido.

Toda a gente é unânime em propalar aos quatro ventos que, em Portugal, o problema é a gestão. Eles próprios assim o confirmaram. Localizada, sectorial, estatal, o que se queira. Mas de gestão. E o que dizem a isso os nossos gestores? Que sim. Que é verdade! E daí? Nada, pois todos eles são casos inequívocos de sucesso aquém e além-mar! Onde é que estarão, então, os maus gestores? Queres ver que foram para o Canadá, para o Luxemburgo ou para a Irlanda?

O compadrio tentacular e cancerígeno, que mina todas as estruturas públicas e privadas, em Portugal, premiando os afilhados mas com um horror cósmico à competência e à eficácia, é silenciado despudoradamente por todos estes brilhantes e comprometidos analistas, que nos arrasam com as suas teses e nos desgraçam, ao mesmo tempo, com as suas práticas.

E, depois, a “lógica” de competição empresarial é esta: um director que nada faz, mas é recomendado pela cunha, aufere 7.500 euros mensais, fora todas as consabidas mordomias. Na mesma empresa, o escriturário que se esfalfa a tapar as incontáveis porcarias que todos os dias lhe “caem no prato”, por força de generalizadas incompetências, leva para casa, nas “boas” e grandes empresas, 1.000 euros mensais... e vai com sorte mas sem mordomias. Quando toca a fazer saneamento básico da empresa, estes dois “colaboradores” representam uma massa salarial de 8.500 euros, para uma produtividade que se fica 70% abaixo, por exemplo, da de “nuestros hermanos”. Que fazer? Simples: Corre-se com o escriturariozito, poupam-se, de imediato, uns tostanitos através das conhecidas “engenharias” contabilísticas... e pronto! O país fica mais pobre, mas aquela empresa já só tem quadros altamente qualificados.

Até que se faça o próximo levantamento de produtividade o problema está resolvido. É o progresso e a convergência europeia em todo o seu esplendor!...

Heróis do mar, nobre povo, nação valente!...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:17


fevereiro 07, 2004

Maré viciosa

Vemos, ouvimos e lemos... Não podemos ignorar.

"Uma agenda muito (pouco) completa

Li na Visăo que a agenda que assinala o 10º aniversário do Ano Internacional da Família (concebida pela Coordenaçăo Nacional para os Assuntos da Família, sob a tutela do ministro Bagăo Félix), contempla todos dias e mais alguns (da măe, do pai, dos avós, do aniversário do Oceanário) e até inclui algumas receitas, como a do “Bolo Espera Marido” (!?)… . Esqueceram-se no entanto de assinalar o 25 de Abril!!!

Terá sido um lapso?? De lapso em “lapso”… văo-se notando os tiques de outros tempos! Só faltava mesmo terem posto um dia da “Outra Senhora”…

Neste contexto, é de ler o artigo de Fernando Rosas, “A Direita Lusitana e o 25 de Abril”, publicado ontem no Público."

Autor: André Luz, no jornal on-line Grăo de Areia

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:42


fevereiro 06, 2004

Triste mar...

Ao olhar para a camisola 29 sobre a qual se exorbita, da hipocrisia ao mau gosto, um certo marketing benfiquista; ao olhar para a mama (uma) da mana Jackson que move mais vontades cibernautas que as duas torres e quantos nelas ficaram; ao olhar para os lucros dos bancos privados portugueses que, em anunciado ano de recessão, apresentam em 2003 lucros superiores em 30% relativamente ao ano anterior... não consigo deixar de questionar os meus botões acerca do mundo estranho em que nós sobrevivemos.

Uma amiga minha, que julgava ter uma vida inteira pela frente e uma vontade enorme para a viver, soube hoje que, afinal, lhe restam escassos e irremediáveis meses de vida.

A OrCa, triste até às lágrimas, não consegue impedir-se de questionar os seus botões acerca do mundo estranho em que nós todos sobrevivemos. E a OrCa, hoje, não consegue nadar para longe deste mar de tão imensa tristeza que lhe tolhe os movimentos...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:14


fevereiro 05, 2004

MAR PORTUGUÊS

Um pouco farto e já com tendência para a perturbação linguística pela repetição (escrita) constante do termo "maciça", para referir as virtuais armas existentes no Iraque, aqui fica um reparo para os improváveis milhões de visitantes que falam e escrevem (ainda) em português:

- As armas que os States fizeram de conta que procuravam no Iraque seriam - se tivessem sido encontradas - armas de destruição MASSIÇA e não 'maciça', como tanto se vê por aí escrito.

Maciço, com Ç, é sinónimo de compacto. MaSSiço, com dois 'esses' tem a ver com massas, maralhal, montes de malta.

Ora, às tais armas chamam-lhes assim porque se destinam a abater, de uma assentada, montes de malta, maralhal imenso, e não porque caibam no bolso de trás das calças de um mal amanhado taliban ou de um "operações especiais" norte-americano!...

Palavras homófonas, portanto. Terríveis, lamentáveis, execráveis ou malditas, se quiserem. Mas homófonas. Entendido?

Digam "em massa", "massivas" ou "mássicas", mas não escrevam "maciças", que parece mal à avó...

Muito grato pela atenção.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:36




Mar de Blogs

Bloguítica (http://bloguitica.blogspot.com) sugere/solicita um comentário (de 50 a 125 palavras) acerca de como será a blogosfera daqui a um ano. Creio que não andará longe disto:

Em 2005, a Blogosfera Lusa será rectangular e compacta.Cada português terá o seu blog e será condicionante de parto assistido e atribuição de abono de família que cada progenitor iminente faça prova de já ter criado, a par com o nascituro, o blog que este virá a utilizar...

Em 2005, então, graças ao turbilhão incontável e frenético de troca de mimos entre blogs, o país parará, definitivo e irremediável. Como a Terra, entrementes, continuará a gravitar, insistente e obstinada, Portugal, quiça por efeitos de inércia ou centrifugação, destacar-se-á do Planeta Azul e - como na Jangada de Pedra do Saramago - singrará Universo fora, cumprindo-se, por fim, o nosso destino aventureiro e descobridor, em busca da diáspora perdida... E o Universo ficará, decerto, mais rico, mais feliz e mais profundo!

Saudações da OrCa.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:00


fevereiro 04, 2004

Maré de Gralha (Reveladora?...)

Remuneração acrescida de IVA???

Que a desregulamentação do mercado do trabalho está na ordem do dia, já é coisa vista. Que muitos dos seus mentores espirituais, quando não ideólogos, são crocodilos de grandes e salgadas lágrimas, até os espíritos mais incautos vão descobrindo...

Agora, que neste caminho resvaladiço deva haver alguma discreta contenção, não vá a precipitação espantar a caça, julga-se recomendável.

Ora, no exemplo abaixo, a contenção andou de todo arredia e fico sem saber se é o pé que foge para a chinela, se o 'lapsus' é meramente 'linguae' ou se se tratará de sondagem encapotada à capacidade de reacção do Zé Povinho... Para que conste e me ajudem com os vossos ajuizados juízos, aqui vos deixo à apreciação a última revelação da capacidade criadora de quem vai presidindo aos nossos destinos:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:53


fevereiro 03, 2004

Adeus, tio João

Morreu-me alguém. Muito perto e muito longe. Vou, até lá, dizer-lhe adeus.

Ficarei com mais uma boa memória para guardar. Não guardo lágrimas, mas um sorriso.

Ergo-te, uma vez mais, a minha taça, tio. Brindemos...

Volto já.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:59


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas